quinta-feira, 23 de março de 2017

Lições de rua


O que a gente aprende nas feiras de Londres

quarta-feira, 22 de março de 2017

quarta-feira, 15 de março de 2017

sábado, 11 de março de 2017

segunda-feira, 6 de março de 2017

Konrad Adenauer


...

Na determinação da jovem Alemanha Ocidental de parecer uma sociedade aberta e democrática, todas as portas estavam abertas ao jovem diplomata curioso. Eu podia ficar sentado todo o dia na galeria dos diplomatas do Bundestag e almoçar com jornalistas e conselheiros parlamentares. Podia bater à porta de ministros, assistir a comícios de protesto e sofisticados seminários ao fim de semana sobre a cultura e a alma alemãs, ao mesmo tempo tentando descobrir, quinze anos depois do colapso do Terceiro Reich, onde terminava a velha Alemanha e começava a nova. Em 1961, não era nada fácil. Ou não para mim.

Um ditado atribuído ao chanceler Konrad Adenauer, cuja alcunha era - "O Velho Homem", que deteve o posto desde a fundação da Alemanha Ocidental em 1949, até 1963, resumia concisamente o problema: " Não se deita fora água suja, enquanto não se tiver água limpa!".
...
in "O túnel dos pombos" de John le Carré


mas o mesmo Adenauer que disse “Temos que aceitar as pessoas como são, porque não existem outras!”, também afirmou que "Um método infalível de entrar em acordo com um tigre, é deixar que ele nos devore!".

...  Temos dito!

domingo, 5 de março de 2017

Animais do meu jardim



Nem só de flores se faz um jardim!

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Lembranças do Olimpo (26)


O Arcanjo riu e perguntou: - Mas porquê o Quixote se ele sofre de Demência Fronto-Temporal?
- Porque eu necessito de alguém, consensual, com um misto de agressividade, impulsividade, inflexibilidade, comportamento inapropriado, ilusões e falsas concepções, que possa proclamar liberdades, questionar costumes e proferir inconveniências, com total inimputabilidade.
Ele tem 400 anos de provas dadas, o que é mais que suficiente. Nada como um louco para apontar o dedo à Justiça.

- Então é ele que queres para me questionar?, pasmou S. Miguel, fazendo subir e descer os pratos da sua balança.
- Exactamente!, respondeu Hipólito. – Não é necessário que um homem conheça as razões que o movem quando opta por um de dois caminhos. Querendo, pode mesmo iludir-se sobre os motivos da escolha, atribuir-se virtudes que não possui, inventar pretextos e invocar imperativos ditados pela boa índole, pela rectidão moral, pela fibra ética, pelos princípios. Pode tentar convencer-se de que é o amor que o move e que é a Justiça que o obriga; reclamar-se guardião dos mais elevados ideais e argumentar que a sua defesa justifica o uso de qualquer meio.
O homem vive de enganos. Inventa deuses, persevera em acreditar neles e cuida para que os demais creiam também com tanto ou maior fervor. Não tem ideais, tem humores. E este é o móbil de todas as suas acções, das boas e das más, dos gestos acertados e dos erros. As disposições humanas, por mais volúveis ou ponderadas, constroem os destinos e todas as coisas, ditam sortes e convocam desgraças.

- Vejo que citas de cor o Manuel Jorge Marmelo no “O homem que julgou morrer de amor”.
- Não te sabia leitor, pelo que ainda mais te admiro! Julgava-te um fundamentalista, mas dou a entender-te como alguém à procura de um equilíbrio dinâmico para a humanidade, que sabe que o homem é, de entre todos os animais, aquele que mais se assemelha ao lobo: se devidamente alimentado e vestido, com um punhado de moedas na mão, chega a parecer dócil e assustado, mas se tem a barriga vazia transforma-se num ser selvagem, capaz de renegar os seus deuses e amaldiçoar as suas crenças, sem pestanejar antes de fazer o que julga necessário para ganhar o direito ao alimento que lhe falta, e até de dar caça ao seu pai, irmão ou mestre, o que inspirará gerações e as ensinará a vencer sem olhar a meios, armado apenas de pragmatismo, da determinação e do ódio que faz dos fracos vencedores.

- Fim de citação!, riu o Arcanjo. Hipólito que, com o ânimo, se tinha levantado, voltou a esparramar-se no cadeirão, simulando um grande cansaço.
- Desculpa a referência. Lembrei-me deste trecho porque, de vez em quando, tropeço em colegas de profissão que evoluem para “testemunhas de Jeová da Medicina”, decididos a impor o seu modo de estar não só na profissão, como também no dia-a-dia. Costumam dizer que a Medicina é um “sacerdócio”, mas se lhes pagam menos do que as suas expectativas, passam à peixeirada e esquecem o tal espírito de missão que habitualmente reivindicam.

S. Miguel deu dois passos até à janela, de onde se via o mar.
-Então o D. Quixote é o nº 2, e ficará a representar quem reclama por Justiça quando é beneficiário de leis que protegem os seus privilégios.
- Isso mesmo! E também daqueles que se julgam “top” e se cegam para tudo o resto, transformando-se em martelos que em todo o lado vêem pregos!

Depois despediram-se e Hipólito ficou longos minutos a olhar para a nuvem por onde o viu entrar, a pensar se algum dos outros Arcanjos teria características que os pudessem eleger para os números seguintes.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

A Roulote-Bar



Na sequência das alterações recentes que desviam doentes para as traseiras do hospital, e na impossibilidade de espaço para um Bar coberto, ir-se-à abrir em breve um concurso para uma Roulote-Bar, que tem por fim servir os inúmeros doentes que diariamente para ali são referenciados para colher análises, para tratamentos em Fisiatria e para as consultas para ali deslocalizadas.

Foi decido cativar dois lugares do parque de estacionamento dos funcionários, para que a Roulote-Bar possa suprir esta crescente necessidade. No inverno, será colocada uma mesa encostada ao vidro exterior do corredor onde se situa a porta da Central de Colheitas e, no verão, será permitida uma pequena esplanada nas imediações.
Esta modernidade, juntamente com o "vai-vem" eléctrico, irá, por certo, contribuir para a humanização e eficiência do nosso hospital.

Bem haja quem assim decide!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Arranhador

Giovanni Pico della Mirandola (Florença - 1463 - 1494), morreu aos 31 anos. Era dono de uma memória privilegiada e sabia tudo e mais alguma coisa.

Desde que soube da sua existência que o invejo. Não por saber tudo, mas por saber mais alguma coisa.
Eu, para não sentir a minha arte limitada à profissão, de vez em quando diversifico.


Hoje foi dia de fazer um arranhador para o gato.

Um tronco de loureiro: 0 €
Restos de uma tábua : 0 €
Restos de dois fios eléctricos: 0 €
7 metros de corda: 2 €
1 parafuso grande: 10 centimos
2 tapetes - 1 €
Total: 3,10 €

    + Uma hora e meia de trabalho 


domingo, 12 de fevereiro de 2017

Corruptelas

Corruptela é a deformação de palavras, originada pela má compreensão/audição ou rápida visualização.

A compreensão depende da literacia do ouvinte. Quem nunca ouviu a palavra taquicardia, tende a ouvir ataque cardíaco e se a palavra obriga a voltas com a língua, em vez de apologista, talvez lhe seja mais fácil "apugilista".
Na terra da minha sogra, não havia rododendros. Lá só se davam "redondelos".
E eu, só bem entrado na vida, é que deixei de dizer "catrapácio!!

É no que dá a ciência de ouvido!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

O Transfer


De acordo com as normas europeias para com as pessoas com mobilidade reduzida, estamos em vias de nos equipar com um pequeno "Vai-vem" eléctrico de cinco pessoas, para transportar os muitos doentes crónicos, da Entrada do Hospital para a Central de Colheitas, que recentemente foi colocada no outro extremo do edifício.
Resolve-se assim o problema dos idosos com graves problemas cardiovasculares e neuromusculares que, há cerca de um mês, lutam com a dispneia e as muletas, para chegarem vivos àquele local.  

Esta opção só foi possível devida à excelente prática de contenção de gastos supérfluos em medicamentos e material de uso clínico, para além da contratação de quem, em concursos públicos, mostrou maiores competências, acabando de vez com as políticas de favorecimento por "cunhas" e dos funcionários que tiraram um qualquer curso como trabalhador estudante.

O "Vai-vem" irá funcionar durante toda a manhã. Prevê-se a sua desactivação quando a Central de Colheitas e algumas Consultas Externas forem deslocadas para fora do Hospital, dando cumprimento à norma 3.77 do Memorando da Troika: Mover alguns serviços ambulatórios dos hospitais para as USF. (2T 2012)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Indecisão Clínica


Há profissões em que só é necessário conhecer as fórmulas e aplicá-las, sem muito pensar.
Há outras que exigem soluções individualizadas e que implicam riscos. Nessas, exige-se "estofo”! 

Mário Soares dizia que um político “assume-se”. Mas não são só os políticos que, para o bem e para o mal, devem assumir as suas opções, sem se esconderem atrás das ineficiências dos outros. Todos os indivíduos com curso superior o devem fazer, principalmente quando lidam com “coisas de muito valor”, como são as vidas humanas.

Um local onde a maioria dos doentes é vítima do adiar de soluções, talvez ficasse melhor identificado como "Unidade de Indecisão Política"!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Lembranças do Olimpo (25)


“Façamos de 2017 um ano de paz”, instava, nas Nações Unidas, o novo secretário-geral, António Guterres, quando Zeus passava sobre Nova York no regresso a casa. Sorriu com benevolência e disse para consigo. – Reza para que não te apareça pela frente um qualquer tiranete a abanar uma bandeira, pois vais ver que ele consegue um batalhão de palermas dispostos a guerrear!, e retomou rapidamente o rumo na direcção do Planeta Gliese 581 c.

Entretanto Hipólito, já em casa, ouvia, no Telejornal, o Papa Jorge Bergoglio a apontar a evolução tecnológica como a causa da ”orfandade espiritual", o que o pôs a divagar sobre o efeito da maior educação das populações sobre a violência, nos “Illuminati” que temiam que o saber caísse em mãos erradas e em Jesus Cristo e Sócrates que nunca escreveram uma linha e se focaram naquela dúzia de discípulos, para garantir que o seu pensamento não fosse adulterado.

Embora reconhecesse as boas vontades do Papa, não acreditava que o seu caminho tivesse futuro, nem que os santos, que tanto tinham ajudado a sua Igreja no passado, pudessem ter qualquer relevância futura, mesmo que ele se apressasse a criar novos em todo o mundo cristão. A solução para a paz, parecia-lhe estar na educação da população, mesmo correndo o risco do “saber” cair nas mãos de quem não o integre em valores humanistas e ecológicos.

Ora estava Hipólito nestes pensamentos, quando lhe apareceu um anjo no ecrã da televisão. Trazia na mão esquerda uma balança e na direita uma espada. A imagem manteve-se fixa durante uns segundos e depois dirigiu-se-lhe.
- Desculpa se te interrompo as notícias! Há meses que te observo e hoje, ao ver-te enleado nesses pensamentos, decidi abordar-te!
O médico reconheceu-o e puxou o sofá mais para frente do aparelho, para dar intimidade à conversa.
- Muito me honra a visita de alguém que ainda está no activo e com múltiplos afazeres. Mas o que é que em mim te despertou curiosidade!?. Eu sou um clínico sem mais pretensões que as de ter alguma qualidade naquilo que faz.
O anjo pousou os apetrechos, abriu e fechou as asas, para se ajeitar, e pôs as pernas fora do ecrã como se estivesse sentado num muro, para também se chegar ao colóquio.
- Desde que Zeus te convocou para dares assistência ao Lar da sua família, que fiquei com uma pulga atrás da orelha. É que tu nem um doutoramento tens!

O médico tentou disfarçar o sangue que lhe subia às faces:
- Vejo que, apesar de ainda usares espada e uma balança de braços, estás muito moderno. A tua conversa está na onda das universidades que, para se sustentarem, promovem doutoramentos que pouco contribuem para melhorar as práticas profissionais e só alimentam vaidades. Como deves saber eu pertenço à Carreira Hospitalar. Podia ter feito a opção pelo ensino e, se calhar, a esta hora até era professor universitário, mas optei pela actividade hospitalar e, na carreira, atingi o último grau.
- Calma!, respondeu o Arcanjo. - Não vejo o porquê de te zangares! Já tens idade para saber que o homem é um bicho oportunista e que a incompetência sempre achou caminhos para se sobrepor a quem anda distraído das modas que se jogam nas altas esferas.
Hipólito concordou e justificou-se:
- Desculpa, se me exaltei! É que agora qualquer um é professor. Tira-se um doutoramento na glândula sebácea do prepúcio do rato e exige-se um título de professor! Mas adiante! Queres tomar qualquer coisa. Um chá de hortelã ou preferes uma bebida alcoólica quente? Tenho ali um whisky que faz um óptimo Irish coffee!

O Arcanjo Miguel riu com a provocação e não resistiu a perguntar:
- Mas isto é assim ou oito ou oitenta?
- Não queria ofender. Não me digas que és abstémio!
- Se tens essa disponibilidade, aceitava um chá de menta! De vez em quando bebo um copo. Principalmente com a chanfana de borrego ou com a "maqluba". Na maior parte das refeições bebo água. Mas a causa de me teres aqui, foi o teu congeminar sobre o Papa e o pensar que os santos não ajudam a actual Igreja Católica a retomar a sua influência.

Hipólito, pediu-lhe um minuto e foi aquecer água, aproveitando esse tempo para organizar o pensamento. Depois, trouxe a chaleira a fumegar e, enquanto o servia, retomou a conversa:
- Há anos, quando a minha sogra era viva, a toda a hora eu ouvia nomes de santos. Ela vivia num ambiente rural, numa casa onde não havia livros. Os aforismos eram o seu guião para as boas práticas e resguardos, pois quem tem os bens ao relento e não tem seguro de colheitas, muito tem de se lembrar do que se passa nos céus. "No dia de S. Matias (14/5) começam as enxertias.”; “Pelo S. João (24/6) a sardinha pinga no pão.” “Pelo S. Tiago (25/7) pinta o bago e cada pinga vale um cruzado.”; “Nevoeiro de S. Pedro (29/6) põe em Julho o vinho a medo.” ; “Quem planta no S. Miguel (29/9), vai à horta quando quer.”; “Pelo S. Martinho (11/11), semeia o teu cebolinho.” ; “Quem colhe azeitona antes do Natal, deixa metade no olival.”. Era assim o ano todo ...
Mas numa época em que a agricultura de subsistência está a dar as últimas e a terra tende a concentrar-se em grandes multinacionais agrícolas, os santos só dão nome aos dias de folga ou de festa e os mitos de que se fala variam com o que Hollywood vai produzindo.

O Arcanjo saiu da borda da TV e foi para junto da janela. Passados uns minutos, respondeu:
- Dois homens, se são Homens, estão condenados a entenderem-se!, li-o numa crónica do António Lobo Antunes! Quando um homem se liberta dos seus instintos primários e consegue ver para além do seu umbigo, habitualmente entende o outro. Eu pertenço às três grandes religiões monoteístas e sou paladino de quem luta contra os embustes e procura virtude na humildade. Não tenho nenhum contrato com a cúria de qualquer dessas religiões, que as mais das vezes são formadas por gente marcada por crenças sem fundamento. Concordo contigo na necessidade de fazer com que a educação consiga uma maioria que não embarque em ilusões e se foque em objectivos exequíveis.

O médico foi a uma das prateleiras onde tinha os livros de ciência e trouxe um de Richard Dawkins – “O gene egoísta”, e questionou-o:
- Mas como dar essa volta, se Deus introduziu no ADN humano, uma memória tribal que tende a avaliar o outro negativamente quando lhe topa alguma diferença?
O arcanjo pegou na espada e apoiou-se nela, enquanto dissertava: - A globalização ajuda a corrigir essa tendência, mas é necessário "proximidade física" e vocês estão a apostar demasiado no virtual, com o que dificilmente vos ireis sentir pertencentes ao mesmo grupo. Nisso o Papa tem muita razão. A solidão é um refúgio e não é possível viver à sombra de um só livro, pois ele torna "infiéis" todos os que o não seguem!

O médico ignorava esta faceta de S. Miguel. Conhecia a sua relação com as colheitas e a luta contra o mal, mas entendia-o como defensor de uma facção. Afinal, ele estava presente nas três principais religiões monoteístas (Islamistas, Protestantes e Católicos) e, depois de o ouvir mais um tempo e se certificar que ele nunca tinha entrado nas Cruzadas, nem ter ajudado os exércitos nas lutas contra os Eixos de Mal que os políticos e religiosos, de várias origens, foram criando, deu-se à liberdade de o abraçar como a um amigo, e dizer-lhe:

- São Tiago, o “mata mouros”, foi invocado na reconquista da península ibérica e nas lutas contra Portugal. O São Jorge, da mitologia nórdica, ajudou-nos em inúmeras batalhas, mas a tua luta sempre foi contra as pessoas negativas, estivessem elas de um lado ou do outro, usando sempre a espada para evitar danos colaterais. Ainda bem que não aderiste às novas tecnologias, como outros deuses que passaram a usar armas de destruição maciça. Eu ando a juntar mitos que possam ter valor universal e gostava de te dar o nº1. Vês algum inconveniente?

- Tenho o maior gosto!, alegrou-se o anjo. - Mas o meu apoio não é incondicional! Espero que não me ponhas a fazer equipe com o Pai Natal, nem com o Batman!?
- Está descansado que eu, sempre que encontrar um mito com características favoráveis a uma universalidade, peço a tua opinião. Por falar nisso: Tens alguma coisa conta o D. Quixote?

sábado, 21 de janeiro de 2017

Uns cachaços



Estava em vias de fechar o SClinico, quando a enfermeira da Manchester, me abordou.
- Dr.! Espere um pouco! Triei agora mesmo um doente para si!
É uma rapariga agradável, que sabe estar mesmo quando a confusão é mais que muita e que nunca me penaliza se eu me "passo". Sem grande convicção, como a resistir-lhe, antes de me sentar de novo, arrisco:
- Oh! Teresa! Eu amanhã tenho de estar no Serviço às oito!

Não vale a pena. Ela sabe que me é impossível dizer-lhe não, e continua.  
- Está acompanhado pela GNR. É só para decidir se vai transferido para Psiquiatria. Dizem que bateu na mãe!
- Para Psiquiatria!? Agora os agressores vêm para o Serviço de Urgência? Não me digam que enviaram a vítima para a Cadeia?, digo, antes de lhe ver os antecedentes.
Depois, dou uma rápida passagem pelo seu historial no computador.
Tem 30 anos. Há seis meses foi trazido para uma observação compulsiva e foi orientado para o CRI (Centro de Respostas Integradas) por dependência alcoólica e tabágica. Última consulta há 4 meses. Faltou à seguinte.

Está acompanhado por um irmão que quer falar antes que o doente entre.
- Faz favor! Então o que é que se passou?
- Foi o meu irmão que bateu na minha mãe. Já não é a primeira vez! Há um ano que anda alterado, bebe e faz desacatos. Ultimamente anda para aí a dizer que a minha mãe e eu lhe ficámos com um prémio que ganhou no Euromilhões. 
- E droga-se?, pergunto, por o ter lido no registo da consulta de Psiquiatria.
- Isso não sei, que eu não vivo perto! Ele esteve três anos emigrado, a trabalhar na construção. Quando veio ficou a viver em casa da minha mãe, mas como não trabalha, os conflitos com ela têm vindo de mal a pior. Ele não está bom da cabeça.
- Ok! Espere um pouco lá fora! Já percebi que você também anda na mira dele!
- É verdade! Ele só não se atira a mim porque tem medo que eu lhe dê forte!

Sai um e entra o outro, acompanhado por um GNR.
- Faz favor de se sentar!
É um homem forte com mãos grossas e botas de trabalho bem gastas. Usa uma sweatshirt cinzenta com capuz e uma jeans azuis já esquecidas do cheiro do sabão.
Olha para trás, para confirmar se o GNR também entrou. Senta-se mole e de olhos baixos. Responde contrafeito.
- Você sabe porque é que o trouxeram aqui, ao Hospital?
- Deve ter sido por bater na minha mãe!
- E você estava bêbado, ou quê?
- Eu só bebi um copo ao jantar!
- E hoje consumiu droga?
- Fumei um charro, mais nada!
- E você acha bem ter batido na sua mãe?
Levanta os olhos, como a rebobinar o filme dessa noite e, depois de alguns segundos em que me olha de soslaio, responde, a desmerecer todo aquele envolvimento despertado pela denuncia do seu acto:
- Eu só lhe dei uns cachaços!

- Ahh!

São 24h. Não tenho condição para lhe avaliar a disfunção. A minha vontade é receitar-lhe uma noite nos calabouços e que venha amanhã para observação por psiquiatria, mas, como não falta para aí gente disposta a criar problemas a quem se preocupa com os gastos públicos, contenho-me e pego no telefone, enquanto lhes peço para aguardarem fora da sala.
- Está!? Sra. Telefonista. Por favor faça-me uma chamada para o Hospital Central.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Prioridades



Manobras evasivas devem ser aquelas em que um doente manhoso, utiliza engenhosamente artifícios ambíguos, para, de modo dúbio, se esquivar, subtilmente, aos últimos lugares da fila.