terça-feira, 19 de setembro de 2017

Pensamentos do Dia



“The whole problem with the world is that fools and fanatics are always so certain of themselves, and wise people so full of doubts.”
Bertrand Russell

Não é preciso acreditar em deuses ou mitos, desde que se saiba que as certezas são temporárias e não absolutas. O único conceito absoluto é que nada é absoluto!
O problema surge quando, carregados de dúvidas, ficamos paralisados e não vamos a lado nenhum.  
Não é necessário, nem suficiente, nem indispensável, ser fanático para se ter uma certeza suficiente para resolver os problemas que se nos deparam.  
A certeza nunca é absoluta!
António Gomes

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Querer


Razão tinha o Eusébio. Não basta querer. É preciso querer Querer! ... Acreditar! Ter Fé! ... Na vitória de um jogo, no sucesso de uma empreitada, no futuro da Humanidade ou  na Vida Eterna, ... Amén!, Mesmo quando nos bombardeiam com histórias mal contadas ou com soluções inviáveis, é preciso ter Fé, pois são os Deuses, os Mitos e as Crenças, que dão oportunidade ao Acaso e tornam o Incerto possível .
...
Mal de quem tem dúvidas, onde a maioria tem certezas infundadas!

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Mas ...


Ambos e dois eram orfes.
E o pai, era accionista da companhia dos forfes.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Dores


Há a dor física, a dor moral e a dor de antever uma grande dor.
Há quem se previna e quem a aguarde.
Há quem viva dela e para ela.
E há quem a tente ignorar.

Há os médicos, os deuses, os santos e os psicólogos.
E há ... o Marcelo para as dores de Telejornal.
Uns curam ou ajudam. Outros ... agravam!

São tantas as dores e tantos os graus com que se sentem,
que não há remédio, que a todos alivie!



Triste de quem der um “ai” sem achar eco em ninguém!

domingo, 13 de agosto de 2017

Cruela DeVil



Abriu a porta, levantou a cabeça e mediu o palco. Hoje, qual Glenn Closeencarnava Cruela DeVil.
- Dr.! Não pode ser! A sua decisão fez adiar uma reunião im-por-tan-tí-ssi-ma! Veio gente de fora, que teve de ir embora! Não pode ser!
O visado, sentiu o gelo daquela voz de aranha arrepiar-lhe a pele e, qual dálmata encurralado numa viscosa teia, titubeou, a medo, uma desculpa, que rápido despertou um sorriso nos grossos lábios da malévola.

Era uma artista que se perdera naquela profissão. Tinha a “dramatização” nas veias e, se identificava ineficiências, não desperdiçava a oportunidade para se agigantar, na procura da importância que não tinha. O seu papel preferido era o de Iago, por salas e corredores, chilreando historietas confabuladas, na ilusão de, um dia, o mundo girar em seu redor.

Roger Dearly repetiu desculpas e o escasso público suspendeu a respiração ao sentir que a catarse daquela "Cruela de mão na anca", salpicava de fel as paredes da pequena sala.
Temeu-se que o drama terminasse em tragédia. Mas seguiu-se um silêncio e, do nada, cresceu uma música, e a maior vilã do mundo animado, não encontrando nem Jasper nem Horácio disponíveis, levantou o mento, meteu na boca a cigarrilha, virou costas e desapareceu no corredor, numa nuvem dardejante de coriscos!.

Uffff!!!!!!

Cruella Devil, Cruella Devil,
A coisa mais rara é vê-la gentil,
Ao vê-la sinto logo um arrepio
Cruella, Cruella Devil

Ao vê-la você pensa que é o diabo
O diabo disfarçado de mulher
Você vai confirmar, pois ela vai mostrar
Que ataca como um animal qualquer

É uma vampira querendo sugar
Deviam prendê-la e nunca soltar
O mundo era bonito até que viu
Cruella... Cruella Devil

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Insólito

Num Banco da Póvoa de Varzim

domingo, 23 de julho de 2017

Fake News


"Você tem razão, mas não a tem toda, e a pouca que tem não lhe serve para nada", é uma frase que li, há décadas, no "Filomeno" de Gonzalo Torrente Ballester,  e que me persegue desde então.

A verdade absoluta não existe.
Mesmo que consigamos uma aproximação significativa a um facto, se formos obrigados a descrever as suas causas próximas e remotas, seremos traídos pela nossa experiência que nos orienta a atenção e nos faz ignorar fenómenos que outros considerariam prioritários.

Quem luta a todo o transe por defender o seu "status quo", vai considerar todos os diferentes olhares, como "fake news", quer elas o sejam ou não, chame-se ele Trump, Erdogan ou Maduro, personagens caracterizados por uma brutal falta de plasticidade.

Nos Tribunais, a "Verdade" é ditada por um Júri ou por um Juiz, mas o que fica na História é ditado pelos vencedores, numa mistura de "fake news" com "true news", associadas a um agressivo apagão dos registos dos vencidos, para que a "sua verdade" ganhe os contornos de absoluta.

Sempre assim foi e, só nos últimos anos, com o aumento da literacia das populações e o advento da tecnologia digital, é possível reescrever muita da História, analisar as consequências das opções dos vencedores e teorizar sobre a importância das soluções dos "galileus" derrotados.

Talvez assim, possamos evitar os erros dos que consideram o Homem o centro de toda a Vida e a nossa "Cultura" a única passível de dar felicidade aos vindouros.


A ver vamos! "Como diz o cego"!

quarta-feira, 19 de julho de 2017

A pagela


- Sr. Manuel! A doença parece estar a ser debelada. A febre alta passou e você já se sente melhor!
- Então, vou ter alta hoje?
- Talvez amanhã, que ainda faltam as análises que confirmam o diagnóstico, pois são elas que irão definir o tempo de tratamento, para que não haja recidivas! … Você agora até está de férias!
- Antes fossem férias! Eu ainda sonho em voltar à Venezuela!
- Tem saudades do Nicolás Maduro?

- Nem me fale nesse tipo! Não passa de um condutor de autocarro a mando do Diosdado Cabello. Esse é que tem os cordelinhos na mão! Vivi lá 37 anos. Decidi vir embora porque o negócio ia de mal a pior e a insegurança crescia todos os dias. No último ano, roubaram-me um camião de transporte e tive de pagar, pelo de resgate, metade do seu valor. Assaltaram-me em casa, amarraram-me, juntamente com a mulher e as minhas filhas e roubaram-me o que puderam. Só em dinheiro foram mais de 10.000 Euros. Foi então que vendi a padaria. Mas ainda lá tenho um restaurante e a casa, à espera de melhores dias.
- Vai ser difícil aguentar aquela política! O homem está cada vez mais isolado! É uma questão de tempo!
- Ouça-o Deus!

- Sr. Manuel! Você invoca o divino para as coisas da política, mas para a saúde, parece confiar mais na intervenção do Dr. José Gregorio Hernández!

















- É verdade! Tenho muita fé nele e sempre que chego à Venezuela, vou a Guacara agradecer, junto a sua estátua, tudo o que ele me tem ajudado na saúde.  Ele lá é conhecido como o médico dos pobres.Até lhes pagava-lhes os medicamentos do seu próprio bolso! O Dr. conhece-o!?
- Fiquei a conhecê-lo, ontem, depois de ter visto a pagela que tem em cima da mesinha de cabeceira e ter ido ao Mr. Google! Eu tenho um fraco por santos. Você conhece o Dr. Sousa Martins?





- Não!
- Tem uma história de vida muito parecida com a do Dr. José Gregório e também tem uma estátua em Lisboa, rodeada por ex-votos dos que lhe atribuem curas milagrosas. Só que este não pode ser santificado por se ter suicidado. O Dr. José Gregório, dentro do azar (foi atropelado pelo primeiro automóvel que apareceu em Caracas), teve mais sorte, e está a caminho da beatificação.


Ambos viveram nos finais do século XIX. O Dr. Sousa Martins de 1843 a 1897 e o Dr. José Gregório de 1864 a 1919, numa época em que a ciência médica sofreu um grande desenvolvimento, com nomes como o de Louis Pasteur (1822-1895), Koch (1843-1910) e Claude Bernard (1813-1878).
Concordo consigo! Homens como estes que puseram a ciência ao serviço das comunidades mais desfavorecidas, merecem veneração! Mas duvido da sua capacidade de intervenção nas doenças actuais. Até porque, no tempo deles, não se conheciam a maior parte das soluções que agora dispomos. Olhe que a Penicilina só ficou disponível, como fármaco, em 1941!

...

domingo, 16 de julho de 2017

Elvirinha

- Os tempos eram outros! Havia os bailes para a gente casadoira se encontrar, mas nem todos tinham essa possibilidade ou dotes que o fizessem valer.
O meu pai era caixeiro viajante, quando se apaixonou pela minha mãe.
Impedido de lhe chegar ao coração pela presença física, decidiu enviar-lhe diariamente, das terras por onde ia passando, um postal ilustrado. Hoje Penafiel, amanhã Marco de Canaveses, Felgueiras, Fafe e por aí fora. Todos os dias, semanas seguidas. No fim, assinava: - Manuel!

Um dia, em que se assegurou que ela estava em casa, sem os pais, tocou à campainha e apresentou-se: "Sou o Manuel!"

Depois, casaram, tomaram conta da empresa, tiveram oito filhos e foram muito felizes!

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Nossa Senhora de Fátima



- Sr. Dr.! Os meus pais iam à igreja ao domingo e cumpriam os rituais nos dias santos. Trabalhavam de sol a sol para tratarem dos campos e dos animais e para juntar algum para o caso de surgir uma desgraça. Não eram pobres, mas estavam longe de poder dizer que viviam desafogados.
O que poupavam, à boa maneira do Minho, era para comprar ouro ou algum terreno a um vizinho, mais que para qualquer luxo na casa.

Um dia, a minha mãe adoeceu e, temendo morrer sem ver os filhos criados, apegou-se a Nossa Senhora de Fátima e prometeu-lhe um dos cordões de ouro que já vinha de família. 
Dias depois ficou boa e com aquela promessa para pagar. Mas a vida não lhe permitia folgas e uma ida a Fátima, naquela altura, era uma dificuldade que não conseguia ultrapassar, por causa da muita coisa que dependia deles. Então, um dia foi ao pároco da terra perguntar se ele lhe fazia o favor de entregar o cordão em Fátima, de uma vez que lá fosse.

O padre respondeu-lhe que tanto fazia coloca-lo aos pés da imagem de Nossa Senhora que estava em Fátima, como aos pés da imagem de Nossa Senhora que estava na igreja da freguesia, pois ela era a mesma, quer aparecesse aqui ou ali.
Com o espírito prático que sempre lhe conheci, o meu pai foi a uma loja de artigos religiosos, comprou uma Nossa Senhora e, quando chegou a casa, disse à minha mãe: - Dá o cordão a esta Nossa Senhora e assim, se um dia precisares, pede-lho, que, de certeza, ela to empresta! 

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Eucaliptos


Os eucaliptos são árvores de folha perene e de grande porte (podem atingir os 80 metros). São pouco exigentes no que respeita ao clima e à fertilidade do solo - toleram bem todos os tipos de solo, com excepção dos calcários. São resistentes a pragas e produzem madeira de alta qualidade.
Existem em todo o mundo cerca de 600 espécies diferentes. O Eucalyptus globulus, introduzido em Portugal em meados do século XIX, é a mais comum e economicamente importante. É originária da Tasmânia e Austrália, onde os bombeiros a apelidaram de árvore-gasolina

A sua principal utilização é na produção de madeira para pasta celulósica. As suas flores são procuradas pelas abelhas para produção de mel e as folhas possuem um óleo -  cineol ou eucaliptol - a que se atribuem propriedades balsâmicas e antissépticas, pelo que muitos as usam em infusões, rebuçados, ou para inalação, contra bronquites e catarros.
Como a madeira tem múltiplos usos, durante o ciclo produtivo, podem ser feitos sucessivos cortes para diferentes propósitos. Com quatro ou cinco anos o insumo serve para produção de carvão, lenha e estacas. Entre oito e nove, para celulose e postes. Já ao final do desenvolvimento, dos 12 aos 15 anos, é indicado para serração e laminação.

O problema surge quando os proprietários de áreas vizinhas a florestas de eucaliptos se queixam dos prejuízos com os danos causados pelo sombreamento, queda de galhos e risco de incêndio  e o direito de propriedade colide com os direitos de vizinhança, pois a propriedade deve ser usada de modo a permitir uma pacífica convivência social.
A lei prevê que os proprietários ou arrendatários cumpram distâncias mínimas e coimas até a solução da desconformidade.

O nº 2, do artigo 1366º do Código Civil, regula, de modo especial, a plantação ou sementeira de eucaliptos, acácias e outras árvores igualmente nocivas.

No artigo 1º do Decreto-lei nº 28039, de 14 de Setembro de 1937, afirma-se que é proibida a plantação ou sementeira das espécies arbóreas, acima referidas, a menos de 20 metros de terrenos cultivados e de 30 metros de nascentes, terras de cultura de regadio, muros e prédios urbanos.

O Decreto-Lei n.º 17/2009, de 14 de Janeiro, no nº 2 do Artigo 15º , refere:
“Os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edificações, designadamente habitações, estaleiros, armazéns, oficinas, fábricas ou outros equipamentos, são obrigados a proceder à gestão de combustível numa faixa de 50 metros à volta daquelas edificações ou instalações, medidos a partir da alvenaria exterior da edificação,....”

Se as medidas de gestão de combustível não forem cumpridas, tal facto deve ser comunicado à Câmara Municipal pelos interessados e “Em caso de incumprimento do disposto nos números anteriores, a Câmara Municipal notifica as entidades responsáveis pelos trabalhos.”

Os números seguintes do Artigo 15º explicitam os procedimentos a adoptar para que a gestão de combustível seja feita, mesmo que de forma coerciva.

Artigo 19.º Depósito de madeiras e de outros produtos inflamáveis. 1: - ... 2: - Durante o período crítico só é permitido empilhamento em carregadouro de produtos resultantes de corte ou extracção (estilha, rolaria, madeira, cortiça e resina) desde que seja salvaguardada uma área sem vegetação com 10 metros em redor e garantindo que nos restantes 40 metros a carga combustível é inferior ao estipulado no anexo do presente decreto-lei e que dele faz parte integrante.

Há estudos que permitem classificar a propensão para o incêndio nas florestas, de acordo com a seguinte ordem decrescente: florestas de pinheiros-bravos, florestas de eucaliptos, florestas de folha larga não especificada, florestas de coníferas não especificadas, montado de sobro, florestas de castanheiros, florestas de azinheiras e florestas de pinheiros-mansos;
O Vidoeiro ou Bétula (Betula pendula) é considerada a árvore-bombeiro! Quando o fogo entra no vidoal, normalmente arde por manchas e com chama muito curta, extinguindo-se.

A reforma florestal vai ser votada no próximo dia 19 de Julho.

terça-feira, 4 de julho de 2017

domingo, 2 de julho de 2017

Wishful thinking



Wishful thinking é uma expressão idiomática inglesa que significa tomar decisões ou seguir raciocínios baseados em desejos, em vez de em factos ou na racionalidade.
Basicamente é uma "fé" em que não hão-de surgir grandes problemas ou, se eles surgirem, havemos de desenrascar uma qualquer solução e tudo irá acabar bem.
Do mestre de obras ao Ministro, há sempre alguém disponível para liderar um projecto que nasce coxo e com fracas possibilidades de se acertar.
O resultado destas lideranças depende da sorte de não lhe surgirem problemas que revelem toda a fragilidade decorrente do incumprimento de normas elementares.

Ele são médicos que assumem chefia de Serviços sem garantirem os meios necessários para a correcção dos erros sistemáticos de que têm conhecimento prévio à sua tomada de posse, são Ministros que dizem assumir a responsabilidade política por erros de gestão gravíssimos de Instituições a quem é pedido a máxima competência, mas que só se mostram "agressivos" na sua correcção, quando a disfunção lhes bate à porta, etc...

Aqui, "Chico-esperto" com historial de corrupção concorre e ganha nas Eleições autárquicas, o amigo do Partido recebe a paga pelo envolvimento eleitoral, o filho do cacique entra nas Instituições por mãos travessas e quando chega o verão lamentam os incêndios e a falta de ordenamento do território e no Inverno o choro de quem vive nas linhas de água ou junto ao mar, atirando responsabilidades para a Natureza ou para as costas uns dos outros, por terem estado enredados com problemas comezinhos, sem qualquer visão de futuro.

Quando se lida com coisas de pouco valor, o "wishful thinking" até funciona, mas quando se trata com a vida das pessoas ou com património de grande utilidade, todo o cuidado é pouco, para não se ser obrigado a explicações "esfarrapadas" como aquelas que ultimamente temos ouvido sobre a catástrofe de Pedrógão Grande, sobre o roubo de armas de guerra do paiol de Tancos ou para desvalorizar a falta de monitorização das curvas de aprendizagem!

Pouca gente com mérito se disponibiliza para assumir responsabilidades quando lhe restringem, não só o orçamento, como o poder para alterar procedimentos, se uma Instituição necessita de modernização e racionalização de recursos.

É esse o espaço para os arrivistas do "wishful thinking" e do "fizemos tudo quanto era possível!"

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Pensamento do dia


A fantasia dá significado ao sofrimento!

terça-feira, 27 de junho de 2017

Doença mental


1:
29 anos. Refere problemas familiares de longa data. "Os pais querem-no expulsar de casa e insultam-no frequentemente, reclamando os cuidados e gastos que têm com ele!".
Não se sente acarinhado. Refere violência mútua e chamadas para a GNR. Pretende morar sozinho, mas não tem estabilidade económica para tal.
Afastou-se da família. Está descontente com o emprego, porque é muito exigente e os problemas em casa não o deixam concentrar. Terá recebido um alerta para possível despedimento. Descreve relação razoável com os colegas, assumindo algumas divergências como "questões de feitio".
Necessita de medicação para dormir, por causa do cão da vizinha, que faz barulho à noite. Pratica desporto no ginásio.
Diz-se "molestado, traumatizado e desesperançado" porque não o valorizam. Fala em arranjar um advogado para processar a família.
Está colaborante e orientado. Atenção e concentração mantidas. Humor deprimido, com labilidade emocional. Sinais de ansiedade e irritabilidade. Baixa auto-estima. Discurso lógico e coerente, pueril e em fluxo acelerado. Sem alterações do conteúdo do pensamento. Traços de personalidade impulsiva. Nega alterações perceptivas. Sem ideação suicida estruturada.
...
Após umas horas diz-se melhor. Acha que exagerou e que estava a ser injusto com a família.... Quer voltar de novo a trabalhar!

2:
45 anos, solteira. Vive com irmã e sobrinha. Desempregada. Iniciou pedido de reforma. Completou a 4ª classe aos 15 anos e tirou o 9º ano através das Novas Oportunidades.Tem diagnósticos de Oligofrenia leve/moderada e de Perturbação bipolar.
Há 15 dias que se sente "mais nervosa... a falar mais... e com toda a gente. A rir-se muito!...".
A acompanhante nota-a "acelerada e desinibida... com períodos de euforia". Não tem tomado a medicação.
Aspecto minimamente cuidado. Colaborante. Desinibida. Discurso espontâneo e coerente, pobre em conteúdos. Sem evidencia de actividade heteróloga.

3:
68 anos. Viúva. Sem filhos. Vive só. Doméstica. Concluiu a 3ª classe aos 12 anos.
Terá passado a noite a tomar banho e, durante o dia, esteve sempre a "tirar a roupa" e com discurso confuso ... "
A deambular sozinha pelo corredor. Prontamente acompanha-me ao gabinete. Está orientada sorridente e calma, mas facilmente irascível. Impaciente com a insistência das questões. Aspecto minimamente cuidado. Humor alternando rapidamente entre a eutimia e a irritabilidade.
Inicia o discurso em voz ciciada, que evolui para timbre normal.
Discurso tangencial, por momentos incoerente - "eu fui ontem visitar uma pessoa... fechei mal a garrafa... molhei os documentos... fiquei com estes... que meti na parede...".
Pergunto como se ocupa em casa e responde "faço essa camisola que tem vestida... essa bata também".
Reconhece estar no hospital. Assume que se despiu da cintura para baixo e que esteve a tomar banho a noite toda.  ... Na minha casinha faço o que quero! ... Estava no jardim e chamei o INEM! ... Não!, ... Chamaram!...".
Por vezes o discurso tem conteúdo de prejuízo: "as minhas vizinhas chamam - ó vaca!, ... querem-me mal!", mas refere "estar sempre bem disposta!".
Sem ideação suicida. Sono irregular. Apetite diminuído com percepção de perda ponderal. Nega consumos etílicos ou tabágicos.

4:
58 anos. Casado. Dois filhos. A atravessar problemas pessoais com a esposa. Em "situação de despejo" da habitação onde reside.
Hoje de manhã terá feito tentativa de suicídio por enforcamento. Há dias que andava a pensar nesta solução para os seus infortúnios.
Apresenta-se com o colar cervical e com alguma dificuldade em falar. Choroso. Humor lábil. Sentimentos de angústia e de desesperança. Ideação suicida não estruturada. Foi já acompanhado por Psiquiatria.
Descreve angústia, irritabilidade, sono fragmentado e anedonia de há um mês. Apetite preservado.
Está colaborante e orientado. Aspecto suficientemente cuidado. Postura adequada. Emociona-se ao falar dos seus problemas actuais. Humor depressivo. Afectos congruentes. Crítica preservada para a situação. Mostra arrependimento perante o gesto realizado. "A minha ideia está fora de questão! ... Arrependido e de que maneira!...".
Nega hábitos etílicos ou tabágicos regulares. Nega toma de medicação regular.

5:
50 anos. Casada, em processo de separação. Tem duas filhas (uma a viver em França).
Trazida ao Serviço de Urgência por comportamentos parassuicidários. Segundo a própria "queria atirar-me aos carros para morrer, porque não tenho para onde ir! ..."
Refere história familiar/social complicada, fornecendo dados pouco consistentes. Diz que foi vitima de violência doméstica por parte do marido e que esteve numa casa abrigo até finais do ano. Nessa altura, e por sua livre vontade, regressou ao domicílio. Entretanto, por dívidas contraídas, a casa teve que ser hipotecada. O marido recusa recebê-la, razão pela qual verbaliza pensamentos de morte.
Está a ter acompanhamento por Psiquiatria, por Perturbação da Personalidade. Já teve dois internamentos psiquiátricos.
Está orientada e colaborante. Bom estado geral. Discurso fluente, lógico e coerente, pobre em conteúdos e muito inconsistente. Humor triste, congruente com a situação vivencial. Sem delírios ou alucinações. Sem ideação suicida estruturada. Juízo crítico preservado.

6:
26 anos. Casado. Vive com a esposa e os três filhos dela e mais a mãe. Tem o 9º ano de escolaridade.
Ontem à noite fez tentativa de suicídio por enforcamento.
Está acompanhado pela esposa. Ambos referem ambiente familiar difícil porque a mãe é muito invasiva e não dá espaço ao casal.
Foi já acompanhado em Psiquiatria por sintomas depressivos, mas faltou à consulta agendada. Ontem, após discussão familiar, foi encontrado pela esposa inconsciente, no monte, com uma corda a dar 3 voltas ao pescoço. Após algumas "compressões" recuperou a consciência e foi trazido ao SU, onde foram excluídas lesões orgânicas.
Segundo a esposa, esta não foi a primeira tentativa de suicídio. Há duas semanas fez alguns cortes nos pulsos com uma faca.
Está orientado e moderadamente colaborante. Postura reservada. Responde apenas quando solicitado, com discurso lógico e coerente, pobre em conteúdos. Sem actividade delirante ou alucinatória. Mantém ideação suicida estruturada.

7:
62 anos. Casada. Três filhos que residem em França.Vive com marido e o pai de quem é cuidadora. Tem a 4º classe.
Trazida ao SU após ingestão voluntária de medicamentos.
Sente-se saturada "de aturar o marido" que "está constantemente a queixar-se de dores de cabeça".
Ontem, após ter regressado da piscina, ingeriu 10 comprimidos, depois de o ouvir queixar outra vez "da cabeça". Diz não ter motivos para viver. Está longe dos filhos e não tem apoio do marido. Pertence ao grupo coral da igreja. Durante a entrevista, atende vários vezes o telemóvel (marido + padre ?).
Aspecto e vestuário muito cuidados e investidos, desapropriados para a sua faixa etária. Postura apelativa, teatral. Discurso coerente e fluente, mas muito circunstancial, focando os seus problemas no marido. Humor eutímico, malgrado referir não "ter motivo para viver". Ligeiramente ansiosa.
Sem actividade heteróloga. Apesar de verbalizar ideias de morte, não apresenta ideação suicida estruturada. Traços de personalidade histeriforme, com conflitos conjugais de longa data.
Está a ser medicada por psiquiatra privado.
Entra-se em contacto telefónico com o marido - Não tem disponibilidade para se dirigir ao hospital. Fica irritada ao sabê-lo. Será um amigo que virá.

8:
32 anos. Solteira. Vive com uma filha menor, após ruptura conjugal. Completou 9º ano, com 2 reprovações. Trabalha num restaurante.
Tem recorrido ao SU por crises ansiosas, com somatizações várias e está medicada com antidepressivos.
Há dois anos que anda mais depressiva, após a saída do companheiro de casa. Afinal está detido por assaltos.
A sua família nunca favoreceu esta relação. Anda receosa e tem medo de ser envolvida nos processos legais do ex-companheiro.