segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Carta aberta o Pai Natal


Pai Natal: 

Tenho-te escrito com alguma regularidade nesta época em que toda a gente, com acesso aos meios de comunicação social, disponibiliza uns minutos aos "dispensáveis" desta sociedade universal do comércio, que enriquece uma minoria e faz parecer a democracia um jogo dos poderosos.

Na tua época, os monges alegavam que a pobreza “é a primeira das bem-aventuranças” e tu, agora,  fazes despudoradamente o jogo do consumismo! Como é?! Até pareces acreditar que são os empresários que se movimentam de negócio em negócio nos mercados livres, que garantem o crescimento económico e a prosperidade mundial e que tudo o que os governos devem fazer é sair-lhes da frente, sem considerarem factores de constrangimento como o espaço geográfico, os recursos naturais e os ecossistemas frágeis que frequentemente, estão na génese da pobreza. 

Pela primeira vez na História, todos os povos da Terra têm um presente comum e sentem o choque dos acontecimentos que ocorrem no outro lado do mundo, amplificados pela imprensa e pelas redes sociais. A variedade está a desaparecer. Todos os povos se copiam e em todos os cantos do mundo se encontra a mesma maneira de agir, de pensar e de sentir.
Estimula-se a ambição, não tanto por uma necessidade real, mas pelo desejo de ultrapassar os outros, num “mimetismo apropriador” que faz desejar objectos, porque os desejos dos outros nos dizem que esses objectos se devem desejar, e muitas das grandes palavras da justiça, da lei, da ajuda aos fracos, da filosofia e do progresso da razão, são iscos inventados por políticos inteligentes para se imporem aos simples.

Ora é essa onda que tu surfas, entretido com vendas de inutilidades, em vez de te preocupares com uma alternativa ecológica que não nos desgrace o futuro.
Devias ter percebido que a tecnologia vai criar um número crescente de desadaptados que, mesmo que lhes seja dado dinheiro para “comprar”, se sentirão insatisfeitos por lhes faltar o reconhecimento social. A Inteligência Artificial e a Robótica (se o estar mundial se não modificar), deverão causar uma alteração brutal no mercado de trabalho, pois só haverá necessidade de empregar 20% da população para que as suas necessidades sejam satisfeitas. O conhecimento exigido para ser um membro produtivo já está a mudar e o sucesso do ensino não se irá medir pelo número de licenciados, mas pelo número de graduados relevantes no mercado de trabalho.

A maioria dos humanos incapazes de entrar nesta corrida poderá revoltar-se e, se dirigidos por homens frustrados, podem-nos levar ao anarquismo ou a nacionalismos fundamentalistas de má memória. 
Eu sei que não se vêm alternativas plausíveis ao actual “credo” que diz que as classes médias criadas pelo capitalismo industrial originarão governos representativos, estáveis, responsáveis e capazes de prestarem contas, que a religião cederá o seu lugar ao laicismo e que as forças do irracionalismo serão derrotadas.

É por isso que te escrevo a pedir que uses o teu reconhecimento público (nas sondagens vais muito à frente do menino Jesus) e abraces uma causa que não nos desenraíze da Natureza e nos tire do limite de termos de rogar a Deus muita saúde para o carro, para ele não avariar. 
Mas não me perguntes como fazer, que eu, quanto mais leio, mais me confundo. Por um lado, acho que a ciência é o caminho para a nossa salvação como espécie, ao nos fazer entender que na Terra há uma multidão de outras espécies que têm papel fundamental no seu equilíbrio e que este nos tem sido favorável e que, qualquer outro, pode levar a ajustes onde não consigamos igual vantagem. Por outro lado, também penso que, quanto mais competências se exigirem para se ser o tal "membro produtivo" da nova sociedade, mais "dispensáveis" se criarão e mais frustração grassará no mundo! 

Tu, embora tenhas residência oficial no Pólo Norte, vais frequentes vezes ao Céu, e, de lá de cima, tens distância para analisar os futuros e avisar as elites arrogantes que há mais vida para além do capitalismo apátrida.
Procura o Maomé, o Buda, o Marx, o Adam Smith, a Nossa Senhora de Fátima, mais quem tu entenderes e vê se no dia 25 os sentas à mesma mesa com o tal "espírito de Natal", para impedir que os humanos se apropriem tudo o que há no Universo e dêem espaço às outras formas de vida!

É este o meu desejo!
Fico à espera!

Um abraço!
Oh! Oh! Oh!

sábado, 9 de dezembro de 2017

Serviço de Urgência


- A senhora é a esposa do Sr. José?
- Sim! Sou!
- Eu sou o médico que está a tratar o seu marido.
- Ele vai ficar internado?
- Não! Estou a pensar em dar-lhe Alta. Não tem doença que justifique o internamento! O que ele tem, está relacionado com o consumo crónico de bebidas alcoólicas. Ele, ainda ontem, bebeu!!!!.... O tratamento, como sabe, é deixar de beber. E isso pode fazer em casa!
- Sim! Mas hoje de manhã ele estava esquisito! Parecia que lhe faltava o ar! Foi por isso que eu chamei o INEM!
- Mas ele agora está bem! Não tem febre, o coração e os pulmões estão calmos e as análises são o que se espera num doente com a sua situação!
- Mas o Sr. Dr. podia interná-lo, para ele descansar o fígado! Da última vez que esteve internado, aguentou quase dois meses!

O Sr. José, veio transferido de um Centro de Saúde e, há horas, que ocupa uma maca do corredor do Serviço de Urgência. Já dormiu, já comeu, já fez análises e uma ecografia, já lhe mediram várias vezes os sinais vitais, e tirando as alterações hepáticas decorrentes de uma cirrose que, de há seis anos, o traz repetidas vezes ao Serviço de Urgência, não se identificou situação que justifique mais um internamento.

- A senhora há-de convir que, um hospital, é demasiado caro para "descansar" o fígado.
- É que, se ele vai para casa, volta a beber!
- Mas ele não pode ficar a viver no Hospital e, ao que parece, quando volta para casa, a família permite-lhe o consumo e ele estraga tudo o que aqui possa ter ganho!
- O que é que eu posso fazer? Se eu não lho dou, ele vai buscá-lo à adega e, se eu lha fecho, ele até é capaz de arrombar a porta. Olhe que ele nunca levantou a mão para mim, mas se eu não lhe der o vinho, não sei do que ele seria capaz!

Esta é a fase em que a conversa pode tomar vários rumos.
Estou num Serviço de Urgência, a horas em que não tenho apoio de Psiquiatria, nem do Serviço Social e em vésperas de um fim de semana prolongado.
O doente teve já sete internamentos em Medicina por complicações relacionadas com a "doença", foi já orientado para a Consulta Externa de Medicina Interna e de Psiquiatria e abandonou-as.

É fácil chamar ao alcoolismo, síndrome de dependência do álcool, catalogá-lo de doença, e atirá-lo para um Serviço de Urgência, ao mesmo tempo que nas comunidades se passa para o outro lado da rua quando se tropeça num bêbado e se alegam liberdades para que cada um faça da sua vida o que quiser. O Islão não é de intrigas. O álcool é uma abominação de Satanás. Proíbe-o e condena os seus prosélitos ao Tártaro (Alcorão 35:6). Não dá lugar para
um indivíduo fazer o que quer, se prejudica os outros. E os amigos, a família e os vizinhos são responsabilizados se não interferem quando uma pessoa se destrói ou prejudica a sua família.

Aqui tudo cai, desde o desgraçado que faz uma inscrição só para ter acesso a uma refeição, ao doente crónico que prefere este espaço "cosmopolita" ao de uma consulta regular no Centro de Saúde.
Quem tem de se dispersar entre situações críticas e casos sociais, desespera quando estes últimos o distraem das suas primeiras funções.

Este tem sete internamentos. Sete oportunidades deitadas ao lixo nos seis últimos anos. Vindas à Urgência, vinte e três.
Entretanto a idade não perdoa e outras maleitas já se lhe juntaram, deixando os médicos na indecisão de uma outra estar a dar sinal, pelo que lhe vão fazendo análises a tudo e mais alguma coisa, sempre que aqui entra.

Forço-me a justificar a Alta à pobre da mulher que não sabe lidar com a situação e se agarra ao que vê à mão. Sugiro-lhe que recorra ao Serviço Social da sua área de residência, falo-lhe dos "Alcoólicos Anónimos", dos filhos que estão emigrados, até do padre da freguesia. Entra-lhe por um ouvido e sai-lhe pelo outro. Ainda penso em contemporizar, mas é  dinheiro do Estado deitado fora. Ter este poder de dar o que não é nosso, dá mais responsabilidade. Caridade com o que é dos outros, qualquer um faz. Mas Caridade não é dar o osso ao cão. Caridade é partilhar o osso com o cão, e eu não estou aqui para substituir a Santa Casa.

- Minha senhora! O seu marido tem Alta. Leva medicação e uma carta para o médico de família!, afirmo, na tentativa de me ver livre deste problema que me retém, muito para além do desejável.

- O Sr. Dr. é que sabe! Mas se ele amanhã não estiver melhor, eu trago-o outra vez, que ele precisa de descansar o fígado!

...

E, nem de propósito, quando chego à maca onde o Sr. José aguarda a decisão, ele inicia uma crise convulsiva.

- Ai Jesus! Sr. Dr.! Ai que ele morre! Valha-me Nossa Senhora de Fátima! ....

Agora são dois em vez de um. Ela com uma crise histeriforme, ele a espumar no caminho para a Sala de Emergência.
...
- Dr.! A esposa do Sr. José está muito sentida consigo!, avisa-me a enfermeira.
- Deixe-a estar! Por favor, diga-lhe que o Sr. José, agora vai ficar cá na Sala de Observações, pelo menos até amanhã! E que pode ir embora! Veja se me poupa a mais um debate argumentativo, que eu já gastei o latim que trazia para hoje. Ela não vai entender que o tempo que demoraram todos os exames, mais o tempo que esteve na SUB que o referenciou, é suficiente para desencadear um síndrome de abstinência, no caso um "rum fit"

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

As palavras que não disse

Fui educado no respeito pelo outro e num ambiente em que se devem procurar as explicações para todos os fenómenos com que a natureza nos surpreende. Cedo desvalorizei a importância do Deus que me foi presente nos primeiros anos de escola, talvez por não ter sido assombrado com as situações dramáticas que afligiam (e afligem) grande parte da população de Portugal e do Mundo. Custa-me, pois, aceitar “orações” e “mortificações” a solicitar a intervenção divina em nosso favor e as práticas de um clero que, frequentes vezes, ao longo da História, tudo fez para manter o poder dos poderosos, por temer que a “heterodoxia” pusesse um fim à “ordem” que assumiam como única possível.
Até ao meu meio século de vida, sempre acreditei que o Homem é “bom por natureza” e toda a maldade que é capaz, tem origem nas circunstâncias em que é colocado e, nesse sentido, tendi a classificar-me como um “Humanista pouco convicto”, pois sempre recusei a pô-lo no centro de toda a vida neste planeta.
As novas religiões (que se apelidam a si próprias de Ideologias) – o Liberalismo, o Comunismo, o Capitalismo, os Nacionalismos e o Nazismo, apesar dos esforços missionários sem paralelo e das guerras mais sangrentas da História, também não me conseguiram converter, deixando-me sem sentido de pertença.

Quem viveu em sociedades fortemente marcadas pela adversidade, e não sentiu soluções para as provações que o acaso lhes pôs no caminho, optou, quase obrigatoriamente, por um Deus e por intermediários humanos, para agradecer as vitórias mais significativas da vida e para ter a quem recorrer nas aflições.

O Humanismo, a religião a que todos agora querem pertencer (mesmo que professem outras), quer que seja o Panteão (familiar ou colectivo) a dar as directivas à sociedade, mas, quando toda a população tem smartphones, já poucos perguntam orientações aos deuses ou à memória dos antepassados. As dúvidas são colocadas ao Mr. Google e os pedidos de ajuda ao Facebook. O relacionamento é feito “on line” e são raros aqueles que se reconhecem pelo cheiro da pele.
Os mais velhos lembram as “velhas glórias” enquanto os jovens viajam no mundo virtual dos novos deuses “made in” Silicon Valley, seguindo-lhes os gostos e objectivos que os fazem acreditar no Dataísmo, que mais não é que um Fé cega nos dados que o Mr. Google e as redes sociais fornecem, e que já constitui a nova religião do século XXI.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Tomara Que Chova



Tomara que chova,
Três dias sem parar,
Tomara que chova,
Três dias sem parar.

A minha grande mágoa,
É lá em casa
Não ter água,
Eu preciso me lavar.

De promessa eu ando cheio,
Quando eu conto,
A minha vida,
Ninguém quer acreditar,
Trabalho não me cansa,
O que cansa é pensar,
Que lá em casa não tem água,
Nem pra cozinhar.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

domingo, 5 de novembro de 2017

Workshop


A sala está composta. O público fora convidado com a devida antecedência e pressionado a comparecer. À hora marcada a plateia impacienta-se para ouvir os truques e malabarismos da modernidade de uma luminária que vem da capital.
Lisboa é longe e os caminhos da periferia são demasiado sinuosos para quem está habituado a grandes avenidas.  Passa uma hora quando chegam as eminências, seguidas pelo mágico e suas “partenaires”. Uma é loira, outra é morena, como os dois amores do Marco Paulo.

Feitas as apresentações e respetivas vénias, dá-se início ao espectáculo.
É a vez do artista. Rapaz novo, gaba-se do que fez e do que quer fazer. Dois passos para a esquerda e um à direita e ... Zás – à primeira pernada para trás, quem estava em cima passa para baixo e os da esquerda vêm-se agora no centro ou à direita. Pim! Já está!
Quem não se moveu espanta-se!.

Apronta-se de seguida para o segundo número, directamente dirigido ao coração da audiência. Fala sobre a ansiedade de querer e não saber por onde anda a família. Ligar para o telemóvel e não obter resposta! ... Três passos para a frente e uma para o lado e Zás! ... !! O público, baralhado, a tentar sintonizá-lo. Mais um passo em frente e ... Trás, Catrapaz!, e a estrela aponta o dedo a um paisano: - “- Você!”, depois a outro “- E você!?”, há que ouvir sentimentos e frustrações e prometer soluções! …. PUM! 

Tanta eloquência faz pasmar o mais pintado! É uma sumidade! Um mestre da comunicação! Pena o auditório só ter umas dezenas de lugares, e não um púlpito como o das Nações Unidas, porque ele … traz "UMA SOLUÇÃO À PROCURA DE UM PROBLEMA!"

Agora, depois de ter criado "O PROBLEMA", inicia novo passe de mágica e pede às partenaires que se levantem. A assistência hesita em bater palmas. São lindas e sorridentes, embora constrangidas, talvez por não se terem preparado para aquele número.

Finalmente o artista aproxima-se do "PROBLEMA" como quem salta para uma corda suspensa bem acima do estrado e bamboleia num equilíbrio, cada vez mais difícil. 
Fala de “PopUps”, de PEM, do triângulo doente – farmacêutico – médico. De uma lei que já está promulgada e que a todos espanta. Por fim vacila quando um pequeno burburinho se levanta e se apercebe que há gente a sair “à formiga”. É salvo pelo intervalo. 

Não houve apoteose, mas pouco lhe importa, que o cachet está garantido!.
Racionalizará: “-Esta gente da aldeia não entende os “Big Data”, nem as novas tecnologias!” e continuará convencido que caminha “para frente!”, porque em frente é sempre para onde estiver voltado, se não sentir oposição de quem gere o dinheiro dos impostos!

sábado, 4 de novembro de 2017

Kickboxing




Quando o conheci, já estava entrado na vida. Era irmão de um companheiro de trabalho e abrira recentemente um Ginásio, que era assim que, na altura, se denominava um "Fitness Center". Basicamente, ele tinha alugado uma garagem e dispusera, ao longo das paredes, uma meia dúzia de máquinas e halteres.

- Dr.! Tem de lá ir! Aquilo está cinco estrelas! Tem tudo! E, ainda por cima, fica a dois passos de sua casa! Insistia o colega, inconformado com as minhas repetidas recusas.

A curiosidade matou o gato e, também, para o não ter que o ouvir mais outras tantas vezes, dei por mim a justificar umas idas com a vida sedentária e, durante não mais de um mês, fui levantar pesos, puxar cordas e correr numa bicicleta estática.

Os clientes, àquela hora tardia, eram poucos. O habitual era eu só ter de partilhar os suores com o dono do Ginásio, que levava a vantagem de um dia inteiro a dar forma ao corpo, uma vez que era esse o primeiro objectivo daquele espaço, com poucas intenções a ganha-pão.

Eu entrava pelas 19:00h, quando o seu treino, era marcado por períodos de grande intensidade, a preceder o ciclo final de relaxamento.

Era um homem alto, de farto cabelo encaracolado mas, ao contrário do que seria de esperar, escasso de carnes. O Ginásio era o seu investimento para uma tão desejada alteração do aspecto físico. Fazia os exercícios em frente a um grande espelho, onde se media, na esperança de ver um músculo que lhe lembrasse um Rambo, um Schwarzenegger ou, no mínimo, um Mickey Rourke. O rosto afogueado e a camisola empapada assinalavam o empenho que punha na obra.

De vez em quando, a esposa, solidária, animava o espaço com música, enquanto corria no tapete, ou dava ordem ao material, para o dia seguinte. Era uma rapariga pouco faladora, pequena, bonita e de sorriso agradável. Vestia um fato de treino justo que lhe acentuava o corpo musculado e facilitava a agilidade felina com que discretamente se movia. Era uma luz no escuro daquela garagem a interrogar os porquês de uma garça se unir a um escadote cabeludo com pretensões a urso da floresta.

Da última vez que lá fui, ele treinava “kickboxing”, saltando em redor do saco de boxe pendurado do tecto, desferindo-lhe murros, pontapés e joelhadas. O cabelo desgrenhado escorria suor, a T-shirt vermelha totalmente colada ao corpo, criava um riacho que lhe descia pela costura mediana dos calções.

Entrei sorrateiro, e dei as Boas-noites! O atleta deu mais uma série de socos, como a mostrar todo o potencial daqueles ossos mal forrados, e respondeu:

- Boa noite! Dr.! Bem-vindo! Já não estava a contar consigo. Comece ali pela bicicleta, para aquecer! Dez minutos! Enquanto eu acabo o meu treino de hoje!
- Esteja à vontade! Que eu faço o programa do dia anterior e não vou necessitar de ajuda!

Tirou as mitenes das mãos, cumprimentou-me e voltou ao saco para mais umas dúzias de enérgicos socos e pontapés. Minutos depois, já com a toalha ao pescoço e garrafa de água na mão, olhou para as minhas dificuldades e decidiu-se por uns conselhos.
- Dr.! Tenho ali umas latas de produto que fazem maravilhas! Têm a força da proteína. O Dr. também devia tomar! Eu agora tomo-as para ganhar volume mas, daqui a três meses, vou ter de começar com outras para obter definição!

Parei de levantar os pesos.
- Obrigado! Eu não pretendo entrar em concursos! A ideia é compensar o muito tempo à secretária. Com um jogo de futebol de cinco, à sexta e uma hora aqui à terça, se fugir às jantaradas, talvez chegue aos oitenta a tomar conta de mim! respondi, a evitar um discurso técnico, que se oporia radicalmente ao seu objectivo, e que não teria qualquer eficácia naquele ambiente.

Retomei os halteres para mais uma série de braços, cumprindo o plano colado numa das paredes, e o meu “personal trainer” voltou ao kickboxing, para um final apoteótico de sopapos e pernadas, no meio de gritos, impropérios e Uuuhhhs, em crescendo, até, em plena exaustão física e num climax exaltado, gritar na direcção do seu reflexo no espelho:

- Eu quero ficar um BOOOOOIIIIIIIIIIiiiiiiiiiiiiiiii !!!!!!!!!!! … Eu quero ficar um BOOOOOIIIIIIIIIIiiiiiiiiiiiiiiii !!!!!!!!!!!



Creio que Deus o não ouviu e eu, talvez com medo do contágio, pus fim à minha experiência de culturista amador!

sábado, 28 de outubro de 2017

Acrocianose ?



Tem 34 anos. Está grávida de vinte e quatro semanas e há dois dias que nota as unhas e as pontas dos dedos azuis, com agravamento nocturno.

Veio ao Serviço de Urgência e, na Triagem de Manchester, é referenciada, com cor Amarela, para Obstetrícia. Tem sinais vitais normais e está tudo bem com o bebé. Exame ginecológico normal. Ecografia normal. Cardiotocografia normal. É pedida observação por Medicina Interna.

Está consciente e colaborante. Nega conhecimento de qualquer doença crónica. Tem as unhas das mãos e extremidade distal dos dedos com tom azulado, sem sinais de hipoperfusão sanguínea. Nega agravamento com o frio. Tem as unhas e a extremidade distal dos dedos dos pés com coloração normal.
- Minha senhora! A senhora não pintou as unhas de azul?
- Não! Pintei-as há uma semana, e usei um verniz branco!
- Vamos ter de limpar uma unha, para ver o que acontece! Mas vai ter de esperar uma hora, porque não há acetona no Serviço de Urgência e o Armazém só abre às 14:00h!

Está acompanhada por uma filha adolescente, que já mostra sinais de impaciência. Sai, inconformada, enquanto eu faço os registos no computador.
Nem cinco minutos depois, bate à porta do consultório.

-Dá licença!?
- Faz favor! Então que há de novo?
- A Dra. deixou-me a pensar e, de facto, anteontem à tarde, estive a lavar um édredon azul e foi só à noite que a minha filha notou que eu tinha as unhas azuis. No dia seguinte de manhã, elas estavam mais clarinhas. Mas o édredon não ficou bem lavado e voltei a lavá-lo! Agora, como me disse que ia esperar tanto tempo pela acetona, pedi à enfermeira um pouco de gaze e lavei os dedos com álcool, água quente e sabão e raspei uma unha. Desapareceu tudo! …. Posso ir embora?

sábado, 21 de outubro de 2017

Teoria da conspiração 3


Conheço-o há muitos anos. É um homem de sucesso. Criou empresas e ganhou dinheiro. Agora, mais afastado dos negócios, mantém-se atento aos estratagemas que sabe serem comuns a quem transforma dificuldades em grandes oportunidades.

São duas da manhã. Pegou num copo de água e afastou-se da conversa mundana em que o grupo mergulhou, e sentou-se no sofá. Aproveito e sento-mo no do lado.

- Então, o que pensas dos fogos do passado domingo?

Já é habitual termos interpretações diferentes sobre factos comuns e, talvez por isso, ele acentua as distâncias. Eu sou dos amigos que fizeram carreira na função pública, com emprego estável e vencimento garantido, pelo que ele coloca sempre a tónica no risco do negócio e no esforço para angariar e manter os clientes e olha para as empresas em crise, como propensas a falcatruas se uma aflição orçamental as “exige”!

- Vê o que se passa com as oficinas de automóveis! Levas o carro para um pequeno arranjo e sais frequentemente surpreendido. Raramente é um mau contacto, um parafuso desapertado ou uma peça de menor importância. Nos hospitais particulares é igual. Entras com um rolhão de cerúmen no ouvido e fazes um TAC, uma audiograma e duas consultas antes de to tirarem! Esta foste tu que me contaste, …lembraste?

- Mas o que tem isso a ver com os incêndios?

- Tens de perguntar quem lucra com os fogos e tentar perceber se há mandantes encobertos!

- Estás a falar das empresas fornecedoras dos meios aéreos?

- Sim! Mas não só! Essas vivem de contratos de muitos milhões e quantos mais incêndios houver, mais ganham! ... No outro dia contaram-me que o Gulbenkian tinha dois médicos a quem pagava uma avença quando estava com saúde. Mas quando estava doente não lhes pagava, para que eles o pusessem bem o mais depressa possível. Devia ser igual com os meios aéreos. Assim deixava de haver interesse em apagar fogos!

- E quem são os outros que ganham com os incêndios?

- A comunicação social! Os incêndios e as catástrofes são um maná. Enchem horas e horas na Televisão e os jornais vendem muito mais!

- Não vejo como é que os canais de TV ganham com os incêndios!

- As reportagens, os “diretos a encher chouriços” e os painéis a discutir repetidamente aquilo que se já sabe à exaustão, são muito mais baratos que a compra de uma série ou outros programas, para além de poderem vender as reportagens para os canais estrangeiros. Além disso, nestas alturas, a população cola-se à TV e os lucros com publicidade aumentam. Já reparaste que as grandes catástrofes tendem a ocorrer nos anos ímpares, quando não há nem Jogos Olímpicos nem Campeonatos Internacionais de Futebol! Os grandes incêndios em Portugal aconteceram em 2003 e 2005 e a Maddie McCann desapareceu em 2007. Em Inglaterra, onde muitos dos tablóides enfrentavam uma crise, venderam-se milhares de jornais!

- Essa aí é “muito à frente”! Fazer desaparecer a miúda para vender jornais, parece-me de uma malvadeza inqualificável, dificilmente atribuível a alguém responsável por um jornal!

- Talvez não houvesse intenção de que a coisa corresse como correu e estivesse previsto o aparecimento da miúda uns dias depois. É como nos incêndios. Não era espectável esta dimensão. Mas é com executantes fracos de cabeça e condições demasiado favoráveis que se constrói a tempestade perfeita.

- E não admites o desleixo em queimadas a aproveitar a oportunidade de chuva no dia seguinte, nem uma origem na linha elétrica de média tensão como se diz ter sido a causa em Pedrógão?

- Esses são uma minoria! O grosso só pode ser intencional. É necessário procurar o mandante, já que, na maior parte das vezes, o incendiário é um desgraçado a quem se dá 10 Euros para beber uns canecos. Mas isso pode despertar forças que se querem calmas!

Levanto-me e vou à cristaleira. Pego num copo e bebo dois goles de água, como a empurrar o desconforto de me sentir a duvidar de tudo e de todos.

- Até podes ter razão, mas eu prefiro não ir por aí! Já não me bastam o Sócrates, o Espírito Santo, o Zeinal Bava e o Granadeiro. Se eu começar a pensar desse jeito, deixo de acreditar em nós como povo e passo a ser um tipo ainda mais azedo do que aquilo que já sou! Mas mudemos de assunto. Que andas a ler?

- O Harari!

….
….

sábado, 14 de outubro de 2017

Carta aberta ao Diabo


Caro Diabo:

Há tempos que te aguardava, mas confesso que te esperava sob a forma de uma crise económica e não pela mão de um processo judicial.

Tu és mesmo maligno! Está a gente a olhar para um lado e tu apareces do outro! A realidade atraiçoa-nos sempre!, e só podes ser tu a dar voltas ao Destino para que tal aconteça. Eu, que sou ateu, tinha rezado aos deuses de todas as religiões para que o José Sócrates fosse culpado e que a nossa Justiça não fosse tão má que incriminasse um primeiro ministro (repetidamente reeleito secretário-geral do PS com maiorias a rondar os 90% dos votos), sem uma base extremamente sólida mas, agora com as notícias recentes que o envolvem com a Portugal Telecom e o BES, fico sem jeito a pensar que gastei todas as Salvé-Rainhas e Pai-Nossos no lado errado. É que, a ser verdade, há muito mais gente envolvida que os “cabeças de série” indiciados. Não se faz uma trafulhice destas, que lesa o principal Banco privado nacional e faz vender ao desbarato uma das maiores empresas portuguesas, obrigando os contribuintes a pagar balúrdios, sem a colaboração e a passividade de muita gente!

Cá para mim, quiseste dar a volta ao Passos Coelho. Induziste uns radicais a dar uns tiros, em nome de Maomé, nas zonas turísticas do norte de África, para que tivéssemos um “boom” no turismo e em algumas indústrias e, em vez de vires em 2016, vieste agora com as achas bem acesas.

O que nos vale é que já se fala em dez anos para digerir as 4.000 páginas da acusação, o que dá tempo para chamar bombeiros, máquinas de arrasto, aviões, helicópteros, pôr o SIRESP a funcionar e até dar passos significativos na Lei n.º 76/2017 que altera o Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios.

Esta coisa de comprar o poder político mesmo no topo da hierarquia só podia vir de ti! Dar uns trocos ao Presidente da Junta para calcetar uma rua ou facilitar um pequeno negócio, é mau. Mas dar 24 milhões de Euros a um primeiro ministro, é inclassificável. Está para lá das estrelas! Deves ter envolvido muitos mafarricos na empresa e creio que até passaste umas noites sem dormir. Felizmente que te não lembraste da AutoEuropa. Aí é que era o desastre completo!

És um demónio! Agora que não andas entretido em Grandes Guerras, viraste-te para o crime económico. Já te vejo a entrar pelo ciberespaço a tentar dar cabo de dados de hospitais, grandes empresas e até a interferir com a actividade do vulgar cidadão, por puro gozo malévolo, antes que os novos deuses, “made in” Silicon Valley, ocupem os tronos e nos protejam, desde que lhes paguemos as devidas décimas.

Vê se te conténs! Há mais mundos! Deixa isto aqui acalmar e não fomentes abusos nem greves com reivindicações impossíveis. Tu até tens acesso a outros planetas para as tuas diabruras. Dá espaço para que, aqui na Terra, tentemos um novo estar que poupe o que construímos.

Vai de Retro Satanás! Ou se não quiseres ir de retro, vai noutro meio de transporte, mas vai, que já fizeste estrago que chegue neste país que se diz … Europeu!

Até nunca!

Fernando

domingo, 1 de outubro de 2017

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Manipulação genética em humanos


Eu já esperava uma notícia deste teor.
Era uma questão de tempo, para que se iniciasse a manipulação genética no ser humano. O princípio do que virá a ser uma das principais áreas de negócio do futuro.
Começa-se por tratar um defeito genético ainda no ovo ou até no óvulo ou no espermatozoide, e vai-se por aí afora.

Amanhã, quem tiver recursos económicos, não vai querer que seja o acaso a definir qual espermatozóide irá fecundar qual óvulo. Vai querer ter a certeza que os gametas têm qualidade e que não transportam qualquer gene que possa comprometer o futuro do novo ser e, se possível, que tenha todos os que entendemos como benéficos para o sucesso social – ser alto, louro, ter olhos verdes e, uma especial apetência para as ciências abstratas, pois é nelas que se irão centrar os novos investidores.

Foi na China que se deu este primeiro passo e não nos USA., por ali não haver a mesma pressão ética e por o seu Concelho de Estado ter elegido a investigação genómica como um pilar das suas ambições industriais para o século XXI. As suas empresas habitam uma zona cinzenta entre o sector público e o privado e são abençoadas pelo Banco de Desenvolvimento da China com “milhões” que, a par com o baixo custo de mão de obra, os irá pôr na linha da frente. 

A Notícia é de 28/09/2017

Pesquisadores chineses afirmam ter realizado pela primeira vez no mundo uma "cirurgia química" em embriões humanos para extrair uma doença.

A equipe da Universidade de Sun Yat-sen usou uma técnica chamada "edição de base" para corrigir um único erro entre as três biliões de "letras" do nosso código genético.

Eles alteraram embriões feitos em laboratório para extrair a doença talassemia beta. A equipe disse que a experiência pode levar, algum dia, ao tratamento de uma série de doenças herdadas geneticamente.

A técnica altera a construção base do DNA.

A talassemia beta é uma doença do sangue que causa anemia e pode levar à morte. É provocada por uma mudança numa única base no código genético - conhecida como mutação pontual.

Os pesquisadores chineses "editaram” o DNA e trocaram o G (guanina) por um A (alanina) corrigindo o problema.

"Somos os primeiros a demonstrar a viabilidade de curar doenças genéticas em embriões humanos a partir de um sistema de edição de base", disse à BBC Junjiu Huang, um dos cientistas do grupo, e continuou: "o estudo abre novas portas para tratar pacientes e prevenir bebés de nascerem com a talassemia beta, e até mesmo outras doenças hereditárias".

As experiências foram efectuadas com tecidos de um paciente com a doença e através de embriões humanos criados a partir da clonagem.

Revolução genética

A edição de base é um avanço em relação a outra forma de editar genes, a técnica conhecida como Crispr, que já está a revolucionar a ciência.

A Crispr quebra o DNA. Quando a célula tenta consertar a quebra, desactiva uma série de instruções genéticas, e cria a oportunidade de inserir novas informações genéticas.

A edição de base faz com que as próprias bases de DNA se transformem umas nas outras.

O professor David Liu, pioneiro da edição de base na Universidade de Harvard, descreveu o método como "cirurgia química".

Afirma que a técnica é mais eficiente e tem menos efeitos colaterais indesejados do que a Crispr.

"Cerca de dois terços das variantes genéticas humanas associadas a doenças são mutações pontuais. Portanto, a edição de base tem o potencial de corrigir directamente, ou reproduzir para fins de pesquisa, muitas mutações patogénicas".

O grupo de cientistas da Universidade de Sun Yat-sen em Guangzhou (China) foi manchete quando  foram os primeiros a usar a técnica Crispr em embriões humanos.

O professor Robin Lovell-Badge, do Instituto Francis Crick em Londres, disse que determinados trechos desse último estudo são "engenhosos", mas também questionou por que não fizeram mais pesquisas com animais antes de irem directamente aos embriões humanos e afirmou que as regras sobre pesquisas com embriões noutros países teriam sido "mais rigorosas".

O estudo, publicado na revista científica Protein and Cell, é o mais recente exemplo da rapidez na evolução da habilidade dos cientistas de manipular o DNA humano, o que está a provocar um debate profundo de ética na sociedade, sobre o que é e o que não é aceitável nos esforços para prevenir doenças.

O professor Lovell-Badge disse que esses métodos dificilmente serão usados clinicamente em breve:
"Serão necessários muito mais debates sobre ética e sobre como esses métodos serão regulados. E, em muitos países, incluindo a China, é necessário ter mecanismos mais robustos para regulação, fiscalização e acompanhamento a longo prazo."


E eu que já ando neste mundo há uns bons pares de décadas, contraponho: 
- Se uma coisa pode ser feita, ela irá ser feita. Aqui, ali, às claras ou às escuras!

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Pensamentos do Dia



“The whole problem with the world is that fools and fanatics are always so certain of themselves, and wise people so full of doubts.”
Bertrand Russell

Não é preciso acreditar em deuses ou mitos, desde que se saiba que as certezas são temporárias e não absolutas. O único conceito absoluto é que nada é absoluto!
O problema surge quando, carregados de dúvidas, ficamos paralisados e não vamos a lado nenhum.  
Não é necessário, nem suficiente, nem indispensável, ser fanático para se ter uma certeza suficiente para resolver os problemas que se nos deparam.  
António Gomes

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Querer


Razão tinha o Eusébio. Não basta querer. É preciso querer Querer! ... Acreditar! Ter Fé! ... Na vitória de um jogo, no sucesso de uma empreitada, no futuro da Humanidade ou  na Vida Eterna, ... Amén!, Mesmo quando nos bombardeiam com histórias mal contadas ou com soluções inviáveis, é preciso ter Fé, pois são os Deuses, os Mitos e as Crenças, que dão oportunidade ao Acaso e tornam o Incerto possível .
...
Mal de quem tem dúvidas, onde a maioria tem certezas infundadas!