sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Profissionais de saúde

Texto roubado a uma filha veterinária




Quando era pequena podia ganhar dinheiro com as conversas médicas entre os meus pais. Quando eles, à mesa de jantar, se lembravam de discutir o doente da cama 15, a hemoglobina ou a bilirrubina, as tensões arteriais ou a biópsia, eu (e as minhas irmãs) caia-lhe em cima com queixas formais e multas. Salvo erro, eram 50 escudos por doente. Podia ter ficado rica, não fosse a total incapacidade de cobrar devidamente. Todos os dias, mesmo aos domingos, havia espaço para multas. Aquilo zangava-me muito. Os meus pais trabalhavam muitas horas e eu achava que deviam chegar a casa e dar atenção aos meus imensos problemas de adolescente ou ao facto de haver um disco novo que eu queria mesmo comprar e a semanada já ia curta, mas mais que isso, achava que já tinham dado demasiadas horas ao hospital para ainda o trazer para casa. Era injusto o hospital ser tão importante. No entanto, as conversas lá nos iam entrando pelos ouvidos adentro, mesmo com as zangas e as ameaças de multas (que lá os fazia pausar a discussão clínica, por minutos, e ouvir os nossos dramas existenciais), e na verdade acabamos as 3 por seguir carreiras ligadas à saúde.
Hoje, se pagasse à minha mãe por cada telefonema cheio de casos clínicos que lhe atiro no final do dia, já me tinha demitido e voltado para casa deles e  não, não é por não ter outro assunto, é porque isto pesa.
Trabalhar no ramo da saúde é uma coisa pesada. Ouçam, não vim para aqui queixar-me ou chorar o dia difícil.

Lembro-me de perguntar à minha mãe, num dia em que ela tinha discutido a morte de uma doente com o meu pai - no tempo em que as pessoas eram doentes, não eram utentes nem pacientes - se não ficava triste quando os doentes lhe morriam. LHE morriam. Ela disse que sim, que às vezes ficava, que havia doentes de quem ela gostava e que lhe custava muitíssimo, mas que os médicos não eram deuses, que havia doenças que não tinham cura, havia doentes velhos, que a morte era inevitável, e que com essas mortes ela já tinha aprendido a viver em paz. Para além da morte de doentes-amigos, havia outras que a assombravam - eram as que ela não sabia porquê, porque tinham morrido. Se não souberes o diagnóstico, não sabes se fizeste o melhor, se o podias ter salvo ou não. Isso sim, é um pesadelo. Esses eram os casos que ela e o meu pai tentavam solucionar todos os dias à mesa do jantar - as camas 15 ao lado dos tachos às cotoveladas connosco.

Hoje tive um dia difícil. Morreu-ME um cão de 16 anos que, apesar de lhe saber o diagnóstico e a idade e a inevitabilidade daquela morte, era de uma colega e que, por isso mesmo, me custou. Tenho internado um gato simpático, de uma família simpática, com um carcinoma indiferenciado abdominal que vamos operar amanhã e que apesar de todos os "fingers crossed", tem tudo para acabar mal, e por isso me custa. Tenho, na jaula ao lado, um outro cão jovem, de uma cliente adorável, que tem uma insuficiência hepática pela qual já não podemos fazer quase nada e ainda assim vamos fazendo unhas e dentes, que não sendo em lado nenhum culpa minha, me entristece. Vão ME morrer, mesmo que a culpa não seja de todo minha - diagnósticos feitos, boas práticas, consciência tranquila - o peso é nos ombros.

Hoje escrevo isto exactamente por o dia ter sido difícil e por ouvir com demasiada frequência as pessoas a dizer mal dos profissionais de saúde - os preços e as pressas. Médicos, enfermeiros, dentistas, psicólogos, cuidadores formais e informais ligados à saúde (de medicina humana ou animal) não saem do trabalho à hora marcada e fecham a porta até às 9 da manhã seguinte. Os doentes comem connosco à mesa e dormem nas nossas almofadas.

Eu hoje ia ao cinema ver o Gaza. Não fui. Saí tarde e cansada.
Ia contar uma história palerma ao telefone à minha mãe. Não o fiz. Debitei angustias clínicas.
Ia cozinhar um jantarinho bom. É quase certo que vou jantar cereais.

A maioria dos profissionais de saúde que conheço são assim. Era bom que o mundo mandasse menos pedras. Não somos deuses e acreditem que isso também nos custa.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

Natal



Natal é Pai Natal, é o S. Miguel do comércio, é a Festa da Família, é Festa da Solidariedade, é uma Orgia alimentar, é a Festa das Crianças, é o aproveitamento cristão da festa romana do nascimento de Hélios, deus do Sol (data oficial do solstício de Inverno) ... ??????

Quando uma história tem sucesso, outras se lhe irão colar, pelo que o Natal será aquilo que cada um quiser, e nada de mal daí virá ao mundo.

Para mim, o Natal celebra Jesus. Não o aparecimento do avatar de um deus, nem a criação de um semideus, mas o nascimento de um homem que deu inicio a uma revolução.

A invenção do Deus único para todos os povos, que torna todos “iguais”, independentemente da sua origem e poder, é brilhante. Até então cada povo tinha os seus deuses e os Judeus até acreditavam (e muitos ainda acreditam) serem o povo escolhido por Deus.

Jesus é o primeiro arauto do princípio da igualdade e da união, ao expandir o Deus único Judeu aos "gentios". A imprensa (Gutenberg: 1400-1468) deu um poderoso incremento à divulgação dos mesmos princípios. A Revolução francesa (1789-1799) elevou-os a Lei.

É esse o valor que celebro.

domingo, 8 de dezembro de 2019

Carta aberta a Joacine Katar Moreira,


Joacine

Ainda tenho memória do 10 de Junho ser, para o Estado Novo, o Dia da Raça, conceito que esquecia o povo “misturado” que somos, fruto de quinhentos anos a importar gente de todo o lado, a vaciná-los, a ensinar-lhes uma arte e, na incapacidade de lhes dar que fazer neste jardim à beira-mar plantado, exportá-los para a Europa e para as Américas, para os voltar a receber no fim da vida ... com as devidas reformas.

Não somos como os Ashkenazy, receosos da miscigenação mas, embora geneticamente promíscuos, mantemos a língua e umas centenas de histórias, que vão do Camões ao Ronaldo, da Amália a Nossa Senhora de Fátima, do Hóquei em Patins ao Herman José, que resistem à globalização e que nos identificam como nação.
Apesar do Homem-aranha, do Darth Vader, do Capuchinho Vermelho e do Rei Leão, já fazerem parte do nosso imaginário colectivo e o Freddy Mercury ter mais fans que qualquer grupo folclórico, tal não significa que haja espaço para todas as historietas que aqui chegam.

No caso, não trazes nada de novo, nem aparentas capacidade para congregar esforços. Julgas-te a última Coca-Cola do deserto, arvorando um “pioneirismo” de certezas, que mais não são que uma tentativa de esconder incapacidades. Ouvir-te é um pesadelo! Não só pela gaguez (num Parlamento é necessário uma voz clara e um discurso apelativo, como se exige a um jogador de futebol, da primeira divisão, uma performance física adequada), mas por, na suposta intenção de defender uma minoria difícil de integrar, descuidares que a História é para ser lida à época dos factos.

A Comunicação Social fez-te vedeta. Agora, há que deixar poisar o ruído mediático, para percebermos se o Livre o é ou se tem peias.

Passa bem

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Poema


O mundo de cada um, é os olhos que tem!, escreveu o Saramago!
...
O que está a dar, são os crematórios!, concluiu o arquitecto Souto Moura!
...
O vento lá fora, uuuUUUUHH! uuuuUUUUhhh! uuuuUUUUhhh!

terça-feira, 19 de novembro de 2019

O fascínio das histórias


Foram as histórias e as ficções que uniram a espécie humana e a fizeram divergir dos outros animais. Vivemos de acordo com as histórias em que acreditamos e organizamo-nos à volta das ficções religiosas, políticas, sociais e amorosas, que nos estruturam e nos dão um enquadramento comum.

As histórias são o modo que a humanidade encontrou para dar sentido ao caos, ordenando factos de modo a nos permitir a ilusão de compreender o mundo e o sítio onde estamos.

O poder sedutor de uma história é sempre uma construção afectiva do real. Uma construção de inteligibilidade do real. Uma forma de inquirirmos sobre o mundo que nos rodeia e sobre nós. As boas histórias são formas de verdade que perduram.

O que faz uma boa história: a capacidade de surpreender e de ensinar. Ensinar, dar prazer e comover. As histórias têm de ter uma moralidade. O autor, no fim da história, tem de decidir quais dos personagens manda para o céu, para o inferno e para o purgatório. O desfecho de qualquer personagem tem de ser justo, para dar a impressão de que o mundo pode ter sentido.

… e por aí fora. Por vezes, a RTP tem programas que vale a pena ver e ouvir.


sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Família de médicos


-Oh avô, tu és médico de quê?
-De doenças do tubo digestivo!
-Estou a ver: esófago, estômago, intestino ...
-É isso! Às vezes tenho que meter um tubo para ver o intestino por dentro.
-E já encontraste cocó? ... Que nojo! ... E tu avó ... eras médica de quê?
-De doenças infecciosas!
-E que é isso?
-São doenças provocadas por bactérias, ... por vírus! ...
-Então, tu tratavas computadores??!!
-😌😌😌😌!😖😖😖😖😖😖😖!!!!!

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Sobrinho Simões

Era deste modo que o meu tio Elviro, interrompia as conversas, para lhes pôr ordem:  -Batia duas vezes com as duas mãos no tampo da mesa, e dizia: Então é assim! Dois pontos! E foi o que me apeteceu fazer depois de ler o pequenino livro do Professor Manuel Sobrinho Simões: “Os portugueses”.

Conheci-o na baliza adversária de um jogo de futebol de salão, dos “juniores” contra os “séniores” do Café, quando o seu andar de pato e o historial de bom aluno, faziam prever goleada. Ganhou a modéstia que o havia de transformar num dos “profetas” que o deus da Ciência mandou à Terra para orientar quem sofre de curiosidade pelas coisas da vida.
E foi esse mesmo deus que me fez tropeçar no último livro do Mia Couto “O universo num grão de areia” para me dar as palavras que servem perfeitamente para o definir.

Um homem bom.
...  Não existe escola maior que conhecer pessoas boas, fazedoras do bem. Conhecer uma pessoa boa é bem mais importante que todos os anos acumulados de experiência política ou profissional. As pessoas boas (querendo dizer pessoas integras, generosas, solidárias e disponíveis) deviam ser protegidas como um património da humanidade. Um património cada vez mais raro, cada vez mais em risco. Uma pessoa boa, ensina mais que todos os compêndios. Agora, que pouco restou das utopias políticas e dos valores morais que as suportavam, agora, mais que nunca, carecemos desta gente como o barco carece de um farol. Basta que tenha havido um homem como o Professor Sobrinho Simões para que acreditemos que valeu a pena. E que ainda vale a pena.

Ponto final.

Vem apresentar o livro à Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, na noite de 22 de Novembro. 

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Theo Jansen



Theo Jansen ( n: 1948) é um artista holandês que faz esculturas cinéticas em PVC

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Cleptocracias


O que deve fazer uma elite para conquistar o apoio popular?
Ao longo do tempo, os cleptocratas recorreram a uma combinação de quatro soluções:
1: Desarmar a população e armar a elite.
2: Satisfazer as massas, redistribuindo de uma forma popular uma parte do tributo recebido.
3: Utilizar o monopólio da força para promover a ordem pública e refrear a violência.
4: Elaborar uma ideologia ou uma religião que justifique a cleptocracia.

In “Armas, Germes e Aço” de Gared Diamond.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Erik Satie Trois Gymnopedies



Erik Satie (1866 – 1925), nasceu em Honfleur - Normandia - França.
As Gymnopédies, foram escritas de 1888 ..., em Paris

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Gossip


Há coisas sobre os outros que preferíamos não saber, mas quando elas vêm ter connosco, é difícil resistir a descobrir todos os porquês, principalmente quando o que está em causa é a fraqueza das Instituições.
Diz Yuval Harari que o “gossip” (a fofoca, o mexerico) é uma das principais razões para o progresso da humanidade, pois é no “diz que diz” que se fundamenta a sobrevivência da nossa espécie, ajudando na formação de amizades e hierarquias que, por sua vez, contribuem para o estabelecimento de uma ordem social.

Ora era numa dessas conversas de Café, onde uma situação lembra outra, que dois amigos juntavam razões para entender o “mau tempo” que alguém tinha dado àquela comunidade, perguntando-se   como é que a incompetência e o mau carácter podem andar por aí à solta, sem travão. Juntavam as “narrativas” que compunham o puzzle da credibilidade.
- Eu sei, de fonte segura que, em 1974, ele era cabo nos GEs, no norte de Moçambique.
- GEs? O que é isso?
- GE- Grupos Especiais. Os Grupos Especiais foram pequenas unidades de assalto, constituídas por voluntários locais, a partir de 1966, pelo Comando-Chefe das Forças Armadas Portuguesas, para actuarem na Guerra do Ultramar. Apesar de serem treinados e de operarem sob comando do Exército Português (e Força Aérea Portuguesa no caso dos GEP – Grupos Especiais Paraquedistas), os GE eram forças paramilitares, irregulares, enquadrados por graduados metropolitanos.
- Eram locais com treino de comandos!?
- Sim! Após o 25 de Abril, os GEs e demais colaboradores do Exército Português, foram perseguidos pelos movimentos de libertação e a maioria acabou fuzilada. Ele safou-se, porque se fez passar por civil e fugiu para o continente, provavelmente, com apoio de alguém da hierarquia militar.

- Mas, se ele era cabo, era suposto ter a quarta classe! Como é que se formou em Medicina?
- Essa é a questão! Se estivéssemos em presença de um indivíduo inteligente e trabalhador, tal deveria ser considerado, mas o panorama não é esse! O que consta são oportunismos e comportamentos marginais, o que torna essa hipótese pouco verosímil. Ele deve ter conseguido integração nas Forças Armadas e ajudas para poder continuar os estudos até ao canudo. E não me espanta que até tenha abichado benefícios fiscais e sociais de Deficiente das Forças Armadas. Estávamos no PREC, com os militares na mó de cima, a mexer os cordelinhos sem contenção. Foi só aproveitar as circunstâncias. Já antes do 25 de Abril, um tropa podia propor-se a exame para obter graus académicos sucessivos e houve quem completasse o Secundário em três anos e, como na Universidade podiam fazer uma cadeira por mês, houve quem se licenciasse em pouco mais de 2 anos! Pretendia-se dar oportunidade a recomeçar os estudos a quem fora obrigado a interrompê-los para ir para guerra nas colónias, mas por essa porta também entrou o “chico-esperto”. Com as Instituições fragilizadas e num clima em que por tudo e por nada se levava com o rótulo de fascista poucos se atreviam a chumbar um tropa, e o resultado foi uma chusma de doutores incompetentes, a tomar decisões irrelevantes ou erradas durante décadas.
Ainda agora muitos dos nossos governantes andam enredados com os números e descuram a qualidade, o que ficou patente quando o Sócrates apareceu com a trafulhice das “Novas Oportunidades” a dar diplomas a quem se chegou à frente, sem contar com o efeito maléfico dos impreparados na ética de qualquer profissão!

Depois, lembraram as histórias dos jogos ilícitos daquele ex-militar a “safar” mancebos da tropa a troco de milhares, as frequentes queixas de assédio sexual sobre doentes e familiares, os cambalachos com receitas falsas e um sem número de pequenas vigarices a raiar o inverosímil. De todas as tramoias, embora chamuscado, havia escapado, coisa que nem sempre acontecera a quem se viu embrulhado nos seus esquemas. Mas era a sua incompetência técnica o que mais os chocava. Vagueara por todo o sítio onde havia carências, sempre a recibo verde, e pelo tempo necessário até se descobrir o espécime que ele era, sem que uma chefia se dispusesse a questionar a sua aptidão para o exercício da função. Preferiram sempre mandá-lo à vida, mesmo sabendo que ele ia fazer miséria para outro lado.
- São os eternos problemas do país. O medo de represálias e a pouca confiança na Justiça fazem com que poucos se disponibilizem para se meter em mais sarilhos que aqueles que já têm. Temos pouca consciência de grupo. Ainda estamos na fase do “cada um por si e Deus por nós todos!” ou, quando muito, com uma mentalidade tribal, limitada às cinquenta pessoas com quem habitualmente se contacta. O outro é mais um “couto de caça” do que gente com quem se deve cooperar, e deixamos a qualidade das nossas Instituições ao cuidado de um D. Sebastião e de Nossa Senhora de Fátima.
- Razão tinha o Einstein, quando disse: The world is a dangerous place to live; not because of the people who are evil, but because of the people who don't do anything about it.

Tomaram o café e despediram-se. Estavam reformados mas tinham que fazer.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Reformado a pôr-se à prova



Pois é, Trovão! Um dia de trabalho depois, já não foges quando eu entrar na garagem, deixando-me horas a rezar para que não vás para a linha do comboio ou para a estrada, provocar um acidente. Ainda pensei chamar um carpinteiro, mas ... disse cá para mim: "Não és homem, nem és nada....!".
Ficou ... "maravilha"!


 ... Adorava frases feitas, as quais, pela sua natureza banal e vulgar, pela falta de gosto e pelo vazio que a moda lhes imputara, enervavam o jovem Hans Castorp até à medula. Dizia, por exemplo, "É o cúmulo!" ou "Não fazes a mínima!" e como, durante muito tempo, a palavra "deslumbrante" estivera nos píncaros da moda em substituição de "formidável" ou "fabuloso", se revelava agora completamente gasta, desvirtuada, prostituída e portanto antiquada, ela lançou mão do último grito, a palavra "devastador", começando a achar tudo, em tom sério ou irónico, "devastador: devastadora era a pista de trenó, a sobremesa e a temperatura do seu próprio corpo, ...
in "A Montanha Mágica" de Thomas Mann
...
eu, ... digo ... "Maravilha!"

domingo, 15 de setembro de 2019

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Girassóis

Os girassóis de Van Gogh apareceram na veiga de Carreço.

domingo, 18 de agosto de 2019

18 de mau gosto



Pum! Pum! … Pum! Pum!
- Que horas são?
- São seis e meia da manhã!
- E que dia é hoje?
- É domingo, 18 de Agosto!
- Então isto são tiros! Raça de “desporto” este de andar a matar o que resta de alguma vida independente do homem e que não lhe faz mal nenhum! Devem andar aos tiros às rolas ou às pegas, já que não vejo por aqui outra ave com algum porte. Dá vontade de ir à veiga dar-lhes um puxão de orelhas. Ainda por cima temos um Ministério do “Ambiente” que secundariza este problema.
Gosto de ver rolas, patos, galeirões, galinhas de água, pombos, codornizes, narcejas, tarambolas, galinholas, tordos, estorninhos, pegas, gralhas, faisões e perdizes. Fico feliz quando o acaso me põe um à frente, coisa que é cada vez mais rara, e dói-me saber que há uns caramelos que se atiram ao património de todos nós e os banem do nosso campo visual.
A extinção das espécies está em processo acelerado. Já foram os grandes animais, agora é o tempo dos mais pequenos e ainda por cima sem qualquer controle.
Ouve! … Outra vez! … Pum! Pum! Este já deve ter exterminado a população de rolas daqui da zona. Lembras-te daquela comunidade de pegas que havia na veiga, quem vai para a praia de Carreço? Se ainda não foi, deve estar na calha! Dá vontade de telefonar aos GIPS da GNR para ver quanta e que bicharada ele já abateu.
- Fala-se das touradas, onde o bicho é criado para aquele propósito, mas pouco se fala dos caçadores. Raio de “desporto”!

sábado, 17 de agosto de 2019

Game of Thrones



- O amor é mais poderoso que a razão.
- O amor é a morte do dever!
- Às vezes, o dever é a morte do amor!
...
O que une as pessoas? Exércitos? Ouro? Bandeiras?  Não! … Histórias! Não há nada mais poderoso no mundo que uma boa história! Ninguém a pode parar. Nenhum inimigo a pode derrotar.
...

In Game of Thrones (2011) S08E06

Uma série de muitas horas e de muitos conceitos úteis, principalmente veiculados pelo meu personagem preferido -  o "wimp" Tyrion Lannister (Peter Hayden Dinklage)

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Terapêutica genética





O princípio de uma revolução.

domingo, 28 de julho de 2019

Atahualpa




O momento mais dramático entre europeus e nativos americanos, foi o primeiro encontro entre o imperador inca Atahualpa e o conquistador espanhol Francisco Pizarro, na cidade de Cajamarca, nas montanhas peruanas, a 16 de novembro de 1532.

Atauhalpa era o líder absoluto da maior e mais avançada sociedade do Novo Mundo, enquanto Pizarro representava o sacro-imperador romano Carlos V (Carlos I em Espanha), monarca do mais poderoso estado europeu.

À frente de um exército de cento e setenta e oito soldados espanhóis, Pizarro encontrava-se num território desconhecido e nada sabia sobre os habitantes locais. … Atahualpa estava no seu império de milhões de súbitos, com um exército de oitenta mil soldados. Mesmo assim Pizarro capturou Atahualpa poucos minutos depois de os dois líderes se terem entreolhado.
Pizarro manteve o seu prisioneiro cativo durante oito meses e exigiu o maior resgate de sempre em troca da garantia de libertação. Após o resgate – ouro suficiente para encher um compartimento de sete metros de comprimento por cinco de largura e dois e meio de altura – lhe ter sido entregue, Pizarro ignorou a promessa e executou Atahualpa.


Segundo os relatos escritos por companheiros de Pizarro, entre eles os irmãos Pedro e Hernandez, testemunhas em primeira mão:

Pizarro queria obter informações de alguns índios e por isso mandou-os torturar. Eles confessaram ter sabido que Atahualpa os esperava em Cajamarca.

No dia seguinte chegou-nos um mensageiro de Atahualpa e Pizarro indicou-lhe: “Diz ao teu senhor que venha quando e como lhe aprouver e que, venha como vier, o receberei como amigo e meu irmão. Rezo para que venha depressa, pois desejo vê-lo. Nenhum mal ou injúria lhe serão dirigidos”.
...
Pizarro escondeu as tropas à volta da praça de Cajamarca. Dividiu a cavalaria em duas partes e entregou o comando de uma ao seu irmão Hernando e da outra a Hernandez de Soto. Dividiu também a infantaria, ficando ele com uma parte e entregou a outra ao irmão Juan Pizarro. Ordenou ainda a Pedro de Candia e a dois ou três soldados de infantaria que fossem com clarins para uma pequena fortificação na praça, onde deveriam ficar com uma pequena peça de artilharia.

Ao meio-dia, Atahualpa aproximou-se com os seus soldados. A quantidade de objectos de ouro e prata que traziam era imensa. Atahualpa, vinha numa liteira magnífica, carregada aos ombros por oitenta homens, envergando riquíssimas indumentárias azuis.


Entretanto, nós esperávamos, prontos a agir, ocultos num pátio, cheios de receio.

Pizarro enviou então Frei Vicente de Valverde para falar com Atahualpa, para lhe pedir, em nome de Deus e do rei de Espanha, que se submetesse à lei de Nosso Senhor Jesus Cristo e ao serviço de Sua Majestade, o rei de Espanha. Avançando com um cruz na mão e a Bíblia na outra, passando entre os soldados índios até onde se encontrava Atahualpa, o frade dirigiu-se-lhe assim: “ Sou um sacerdote de Deus Nosso Senhor e ensino aos cristãos as coisas do Senhor, e isso mesmo te venho ensinar a ti. O que eu ensino é aquilo que Deus nos diz neste Livro. Portanto, da parte de Deus e dos cristãos, rogo-te que sejas Seu amigo, pois tal é a vontade de Deus e será para teu bem!”

Atahualpa pediu o livro, para o poder examinar, ao que o frade lho entregou fechado. Atahualpa não sabia abrir o Livro e o frade estendeu o braço para o fazer, quando Atahualpa, lhe deu uma pancada no braço, não querendo que o Livro fosse por ele aberto. Depois abriu-o ele mesmo e, sem qualquer espanto perante as letras e o papel, atirou-o a uma distância de cinco ou seis passos.

O frade voltou-se para Pizarro, gritando: “Venham! venham, cristãos! Venham contra estes cães que rejeitam as coisas de Deus. Este tirano atirou o meu livro da Lei Sagrada ao chão! Não viram o que fez? Para quê ser educado e servil com este cão sarnento? Avancem contra ele, pois eu vos absolvo!”

Então Pizarro fez sinal a Candia que começou a disparar as armas. Ao mesmo tempo fizeram-se ouvir os clarins e as tropas espanholas nas suas armaduras, tanto a cavalaria como a infantaria, saíram dos seus esconderijos a caminho da massa de índios desarmados que se apinhavam na praça, bradando o grito de guerra espanhol “Santiago!”. Tínhamos prendido guizos aos cavalos para atemorizar os índios. O troar das bocas de fogo, a estridência dos clarins e os chocalhos dos cavalos lançaram os índios numa confusão de pânico. Os espanhóis caíram sobre eles e começaram a esquartejá-los. Os índios estavam tão apavorados que se pisotearam uns aos outros, sufocando-se mutuamente. Como estavam desarmados, puderam ser atacados sem risco para qualquer cristão. A cavalaria derrubou-os com as montadas, matando-os, ferindo-os e caçando-os. A infantaria levou a um ataque tão violento sobre os que ficaram que rapidamente a maior parte foi passada a fio de espada.

Pizarro com a ajuda de sete ou oito espanhóis montados, chegou à liteira de Atahualpa e agarrou-o com toda a coragem, capturaram-no e mataram todos os índios que o escoltavam.

Depois Pizarro disse a Atahualpa: “Não vejas como um insulto o facto de teres sido derrotado e feito prisioneiro. Foi o rei de Espanha que nos mandou conquistar esta terra para que todos possam ter conhecimento de Deus e da Sua Sagrada Fé Católica; e por causa da nossa boa missão, Deus Nosso Senhor, Criador do céu e da terra e de todas as coisas que nela existem, permite que assim seja, para que tu O possas conhecer e deixes a vida selvagem e demoníaca que tens levado. Quando vires os erros com os quais tens vivido, compreenderás o bem que te fizemos ao virmos para a tua terra, por ordem de Sua Majestade, o rei de Espanha. O Nosso Senhor permitiu que o teu orgulho fosse esmagado e fez com que nenhum índio pudesse vir a ofender um cristão.”

in "Armas, Germes e Aço" de Jared Diamond

quinta-feira, 25 de julho de 2019

O porteiro


Desta vez foi a Cristina. A Ferreira. A que grita. Era ela que ocupava o ecrã, sintonizado na SIC. Apesar do som baixo, sobressaía a estridência da voz que, no entanto, se mantinha indiscernível, enquanto em rodapé se salientavam as desditas das entrevistadas que tinham tido cancro do colo do útero e expunham a sua vida à curiosidade dos espectadores ociosos da manhã ou, como eu, presos nas malhas das idas ao hospital, por acidentais quedas alheias.
Tirando isto, o ambiente era o mesmo. As mesmas cadeiras incrivelmente desconfortáveis, o ronronar da máquina da comida, o passo cadenciado dos profissionais, as suas conversas fragmentadas.
Para conseguir a minha pulseira roxa, já tinha estado 20 minutos na fila admissão ao Serviço de Urgência, juntamente com aqueles que aí iam por um motivo de saúde. Dava para ver que a sala de espera estava repleta, com grande parte lugares ocupados por membros de uma mesma família. Eram seis mulheres que vestiam calças justas, coloridas, até meio da canela e que deixavam bem patente a distribuição do excesso de gordura corporal.  À volta delas gravitavam quatro crianças entre 1 e 10 anos manobrando um triciclo de plástico entre pernas de cadeiras e pernas de pessoas, algumas de chupeta na boca, uma de chaves ao pescoço. Mas tudo em boa ordem e em silêncio.
O tempo de espera é …tempo de espera… e quando sabemos que as situações estão controladas. é mais fácil.

O que achei interessante de verificar foi a competência e simpatia do pessoal médico, de enfermagem e auxiliar com que me cruzei, em contraste com a postura de distância e sobranceria dos agentes da empresa de segurança, contratada pelo hospital, que delimitam os espaços com as suas pernas abertas, braços cruzados de bíceps bem delineados, três bolas vermelhas bordadas na camisa cinzenta e olhar sobranceiro de olhos semicerrados, que se salienta quando lhes peço uma informação. Não são informadores…e remetem-me para uma fila qualquer. Quando lhes digo, em jeito de pedido, que vou precisar de ajuda para tirar o meu pai da cadeira de rodas, respondem-me com um subtil, quase imperceptível, levantar de uma comissura labial, que talvez se encontrar um auxiliar por aí, ele me possa ajudar.
A figura do porteiro que conhecia o pessoal, que sabia dar informações, que dizia bom dia, boa tarde e até amanhã, que tomava conta de um recado se alguém precisasse, que guardava uma encomenda para levantar à saída, que dava uma mãozinha para subir o degrau,… desapareceu.
É sabido que tinham imensos defeitos e, como todos os porteiros, partilhavam informações da forma que entendiam e talvez alguns com isso lucrassem. Envelheciam nos lugares e, enquanto perdiam capacidades físicas, tornavam-se mais manhosos e alguns mais sábios.
Mas não são os nossos defeitos que nos humanizam?
Esta imagem musculada de “segurança”, treinada para ser fria, anónima, indiferente, impessoal, rotativa para não criar laços, será necessária?

Quando comecei a trabalhar havia um hospital com médicos, enfermeiros, auxiliares e administrativos… agora é uma empresa com colaboradores;
Tratávamos doentes e passámos a trabalhar com utentes;
Tínhamos uma agenda e passámos a ter um “sistema” que, quando fica “em baixo”, deixa todos de braços cruzados a aguardar que o informático resolva.
Assinávamos o ponto na sala do Enfermeiro Chefe, a quem dávamos um bom dia e uma frase de circunstância antes de tomar o pulso à jornada e passámos a “pôr o dedo”;
O horário passou a contar-se em horas de trabalho efectivo e em horas de bolsa, que podem ser generosamente geridas pelos directores, atribuindo-lhes valor temporal ou material;
Escrevíamos os diários, fazíamos resumos e revisões terapêuticas e passámos a fazer “copy paste”, quantas vezes de modo despudorado, repetindo erros não verificados;
Líamos as notas de enfermagem que traduziam o sentir de quem cuidou e vigiou na nossa ausência, e passámos a ter check lists ilegíveis;
Tínhamos gráficos de temperatura e passámos a ter listas de temperaturas sem o impacto visual de uma imagem;
Telefonávamos ao colega para expor um caso ou colocar uma dúvida, e passámos a enviar um mail;
As horas a que os registos foram efectuados passaram a ser mais importantes que os próprios registos e ganharam a dimensão de provas de defesa em tribunal, na certeza de que mais tarde ou mais cedo a todos vai acontecer;
Muitas coisas melhoraram: a eficiência, a gestão de recursos, o controlo do desperdício, supostamente a transparência dos actos… Mas pagamos um preço elevado que tanto afecta profissionais como doentes e seus familiares. Quando entramos num hospital, seja em trabalho ou na doença, não deixamos de ser nós próprios com os nossos medos, inseguranças, alegrias e frustrações. O sentir que são pessoas a trabalhar com pessoas, que a compaixão pelo sofrimento não se deve perder, apesar da frieza dos écrans de computadores que se interpõe na comunicação e dos braços cruzados de seguranças altivos.

Disse.

Texto de M.H.S.G.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Campeões do Mundo


De um jogo que se joga em Portugal, em duas províncias de Espanha, em meia dúzia de vilas de dois outros países e nuns bairros de outros tantos.

Seja como for:
PARABÉNS!!!!!

domingo, 7 de julho de 2019

segunda-feira, 1 de julho de 2019

29


Nesses dias de muitos amigos, de futebol em qualquer espaço e de corridas a ver quem era o último, a alma não tinha poiso. Ia-se à Escola sem o objectivo do conhecimento, mas tão só o de "passar de ano", para que não questionassem o tempo que queríamos para todas as brincadeiras.
O entendimento do mundo estava muito para além do horizonte e estudar era mais um “jogo” que uma oportunidade de ganhar competências e muitos destes “estudantes” lutavam pelos mínimos, somando as notas de fim de período para darem 29 e faltando às aulas até ficarem “tapados por faltas”.
Este “lutar por mínimos” também implicava o copianço pelo parceiro mais próximo e a cábula o mais dissimulada possível, pois se entendia que a fraude e enganar ou “gozar” o professor, eram a vingança possível para uma "opressão" de programas que não eram nem “Child Friendly” nem “Pupil Friendly”, como também não o eram os métodos usados, onde a violência física e verbal pontificavam para conter a rebeldia dos mais difíceis.

Como resultado, muitos dos que “trabalhavam” para o 29, estão hoje na vida activa, com o mesmo espírito. Lutam por mínimos, sem qualquer brio, usando múltiplos estratagemas para obter proventos sem fornecer um bom serviço, numa táctica da “vitimização como passaporte, alibi ou motor de existência”.

Já chega de espertalhaços . É tempo de dar espaço a quem sabe e se esforça, se queremos utilizar os padrões das sociedades mais avançadas, e isso tem de começar na escola.

terça-feira, 18 de junho de 2019

Berta Isla


Aconselharam-mo, porque representava alguém que eu conhecia. Não é verdade!. Não conheço nenhum espião, nenhum "infiltrado" com peso às costas por muitas traições e mortes, nem nenhuma mulher que espere eternamente por um marido desaparecido.
Não o achei "verosímil", embora seja possuidor de conceitos que nos levem a pensar que o "poder" tem capacidade para alterar subrepticia e significativamente a nossa vida.

Ficaram-me duas frases:
...
Mas Mr. Southworth era naturalmente cortês, ilustre e sábio, tal como o professor Wheeler, ainda mais (seria nomeado Sir Peter Wheeler pouco mais tarde), e não estava disposto a ir contra a sua maneira de ser para contentar uma massa manipulada, educada na vitimização congénita e no complexo de inferioridade como passaporte, alibi ou motor de existência.
...
De facto, há dias em que custa tolerar-me, viver na minha companhia constante. Uma pessoa vai fazendo o que é necessário, está envolvida na tarefa e não pensa. Não tem perspectiva, não há tempo para ter, e mais vale assim enquanto se está activo. Passa-se de um dia para o outro, e todos eles estão cheios de problemas urgentes e de riscos, só há tempo para procurar soluções, e não fica espaço para mais nada. Recebem-se ordens e nem pensar em discuti-las, nem sequer analisá-las. Em certo sentido vive-se comodamente, quando estão sempre a dizer o que devemos fazer. Dá-se ouvidos aos que querem cadeias, não têm nada de ser questionados. Instruções precisas, isto, aquilo e aqueloutro. Ou imprecisas, obter resultados. Eu vivi assim muito tempo, convencido do que fazia, a limitar-me a cumprir o mais eficazmente possível. Quando se está obrigado a qualquer coisa, o melhor é converter-se à causa, tornar-se fanático dessa coisa.
...

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Frase do dia


"A idade é uma doença e a juventude uma emboscada".
John Donne (1572 – 1631)

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Certificação dos Madeireiros


Ter uma floresta implica algum saber. Não é só esperar que as árvores estejam crescidas para depois as cortar. É como ser dono de um animal. Para a manter saudável, há que limpar o terreno, mondá-las regularmente para manter uma distância adequada ao seu porte e sem significativo risco incêndio e, do mesmo modo que para um animal, que necessita de veterinários e de enfermeiros veterinários, a floresta carece de gente com formação - de engenheiros florestais a madeireiros que mereçam esse nome.

É urgente a certificação de quem se diz ”madeireiro”, para evitar que a ignorância dos “básicos”, faça uma exploração gananciosa, deixando ramagens a entupir os caminhos e as linhas de água, facilitando a propagação de infestantes - como as “austrálias” - Acacia melanoxylon- e impedindo a autorregeneração.

Já passámos a fase em que qualquer um, com um motocultivador com reboque e duas motosserras se mete floresta adentro arvorado em lenhador. É necessário garantir que, quem lá trabalha tem conhecimentos, recursos e responsabilidades.

O que se gasta a apagar incêndios, justifica este investimento, para que não seja o fogo a fazer a limpeza e o dinheiro arrecadado por quem o tenta confinar.

terça-feira, 4 de junho de 2019

Frase do Dia


Porque as palavras do ano passado pertencem à linguagem do ano passado e as palavras do ano que vem esperam uma voz diferente.

T.S. Eliot (1888–1965)

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Nella





Nella Rojas, nasceu na ilha Margarita, Venezuela, em 1989. Estudou na Escuela Contemporánea de la Voz, em Caracas, e no Berklee College of Music, de Boston. Vive em em Nova York.
Uma voz ...

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Reacendimentos



Ex.mo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo

A minha casa confina com a floresta que sofreu incêndio a 3 de Maio de 2019, tendo este chegado até aos muros do jardim. Desde então, com receio de reacendimentos, vigio diariamente as suas margens nas minhas imediações. Por duas vezes liguei o 117, por reactivação para lá dos meus recursos, e tenho actuado pontualmente quando vejo a manta morta a arder a atingir a zona não ardida.
Ontem e hoje, dias de vento e muito calor, passei horas a apagar a manta morta, com quatro mangueiras de 15 metros unidas, por esta estar a progredir rapidamente. 

Desde 3 de Maio que o fumo é presença constante no ar que se respira dentro e fora de minha casa. Umas vezes mais, outras menos, mas sempre presente.

Hoje houve outro reacendimento no lugar de Presa, Afife, no local onde (penso) teve início o incêndio de 3 de Maio. De novo veio o helicóptero e novo manto de fumo atingiu a minha residência.
Estamos a 30 de Maio e continuam os reacendimentos e a mata a arder no interior da zona queimada.

Será que isto é normal, ou há falta de qualidade no rescaldo e na monitorização deste incêndio, de modo a que o reacendimento possa ser controlado no início, sem proporções que tornem necessária a via aérea?

É voz corrente, em Afife, que o incêndio de 3 de Maio, poderia ter sido controlado, pelos bombeiros e populares (que apareceram prontamente com cisternas), se houvesse ordem para actuar. As cisternas saíram do local cheias.

Agradecia, pois, que fizesse diligências para que os rescaldos sejam eficientes para que se evitem novos reacendimentos, já que, ao fim de um mês, o que arde dentro do perímetro do incêndio já deve ter ardido.

Sem mais, com os melhores cumprimentos



segunda-feira, 20 de maio de 2019

Kali

- E o nome, qual vai ser?, perguntou para completar os registos.
- Sei lá!, respondi. – Eu vim ver a ninhada. Não contava levar o cão assim tão pequeno!

São assim os filhos. Põem o nosso ritmo em causa e apressam-nos. E logo a mim, que demoro meses para comprar carro e que, deixado só, faria o mesmo por um cão. Tenho necessidade de sentir o “sim” a impôr-se, como numa relação amorosa. Olhar várias vezes e em tempos diferentes, vê-los correr, responder às solicitações, sentir como se encaixam em nós quando lhes fazemos festas.
Ainda a lembrar o meu velho Troll, que nos deixou, depois de 15 anos de bom entendimento, tentar ler nos olhos de uma cachorrinha de menos de dois meses, se ela tem potencial para um futuro idêntico, é trabalho de macumbeiro. E não foi a razão, foi o “gut feeling” que definiu a decisão. Vi como se portavam a mãe e o pai, senti como me olhou e as palavras saíram-me da boca – Levo-a!

Depois, foi a ida ao consultório para a desparasitação, vacinação e registos.
- Que nome propões? Nós costumamos pensar em figuras mitológicas em situações semelhantes. Ela vai ser grande e preta. Conheces alguma deusa negra?
- Nix? A deusa grega que personificava a noite, filha do Caos e mãe de Moros (Destino), de Tanatos (Morte), de Hypnos (Sono) e de muitos outros nesta senda.
- Nix! Nix! Não sei! Não soa bem chamar assim por um cão. Um nome com duas sílabas de vogais abertas soava melhor. Abre aí a Net e procura noutras religiões.

Não foi preciso. A minha filha tinha ido passar umas férias à Indonésia e lembrou-se da deusa Kali, do Induísmo, e por não nos lembrarmos de mais deusas de pele escura, e por já estarmos entrados nas horas, ficou Kali, com a promessa de um texto com a história dela.
Esta Kali, nasceu a 3 de Dezembro de 2018. É filha de um acasalamento casual de um Dogue Alemão com uma Serra da Estrela. É a nova companheira do Trovão.

O texto da minha filha, veterinária, é o que se segue:

Shiva
Kali
Shiva e Kali tinham casado - um match made in heaven - e andavam, para a delícia de todos os humanos, perdidamente apaixonados e felizes. 

O Shiva é, da divina trindade hindu, o tipo mais temido. Ao contrário da divina trindade cristã, em que o Pai manda e o Filho e Espírito Santo só levam com as culpas, os hindus têm uma equipa a sério - Braham é o criador, o Vishnu é o protector e o Shiva é o destruidor. É claro que o cognome de destruidor lhe dá má fama, mas o Shiva não é um deus mau, até porque isso não existe. Na maioria dos dias, o Shiva é um deus pacato e benevolente, dedicado à yoga (que ele mesmo inventou) e à meditação, mas quando a ignorância humana lhe chega ao nariz, quando nós nos pomos com confusões e com problemas sem fim à vista, ele interfere. E quando o Shiva interfere, não é meigo - se os problemas não têm solução, é pela raiz que têm de ser arrancados et voilá - terramotos, maremotos, erupções vulcânicas e fogos servem para limpar tudo e deixar terreno fértil para a regeneração. Destruir é criar espaço para que algo novo possa nascer. Eu que me tenho por ateia, admito que tenho alguma admiração por este tipo.

Os humanos faziam templos a Shiva e davam-lhe ofertas e coroas de flores, pedindo-lhe apenas que ele se mantivesse tranquilo e não interferisse com os assuntos dos homens, por isso andava toda a gente contente com o seu casamento com a Kali.

A Kali era uma rapariga bonita, azul, sempre nua, de dentes pontiagudos, a boca manchada de sangue, rodeada de cobras e com um colar de crânios ao pescoço e com o hábito de se passear entre as cinzas dos locais de cremação. Sim, era um pouco gótica, mas era um doce de rapariga e representava a mãe Natureza. A Natureza, ao contrário da nossa ideia citadino-bucólica da luz do sol a atravessar as folhas das árvores abanando docemente à brisa e ao som dos passarinhos, é um sítio terrível, cheio de perigos, venenos, espinhos e morte em cada esquina. A Kali era a Mãe Natureza, com toda a sua beleza e com todo o seu terror - símbolo do lado subestimado da mulher e da verdadeira força feminina.

O casamento, como é óbvio, corria bem - cozinhavam juntos, ouviam música, dançavam pela sala, faziam yoga ao pôr do sol e viam em conjunto os filmes de Bollywood nos serões. No entanto, Kali estranhava a tranquilidade de Shiva e temia que aquela vida pacata fosse demais para ele. Antes de se casarem, Shiva era um bon vivant e passava meses em tainadas com o Braham e com o Vishnu, bebendo até cair, filosofando o mundo e meditando durante anos a fio. Desde que se tinham casado, era um rapaz caseirinho. Preocupada com ele ou talvez porque também ela queria ir beber um copo com os seus amigos e deixar a vida modesta de mulher casada por uns tempos, Kali disse a Shiva - Homem, vai sair com os teus amigos! E Shiva foi.

Sucede que Shiva, quando se põe na treta com o Braham e com o Vishnu, e mandam vir mais um copo, e agora é mais um brinde à terra, e outro aos céus, e um puxa o outro e por lá nem fazia frio - dormia-se ao relento nas calmas -, perde-se. E acabou por passar anos entre festas e meditações até que se lembrou que era casado e que adorava a sua Kali e foi a correr para casa.

Entretanto Kali, que era uma mulher independente, foi vivendo a sua vida sem se chatear muito. Naquele dia, como em todos os outros, antes de entrar para o chuveiro, disse ao seu filho sentado no chão do quarto de banho - rapaz, a mãe vai tomar banho. não deixes ninguém entrar, sim? E deu-lhe um beijo na testa e foi-se.

Quis o destino que o Shiva chegasse nesse momento a casa, sedento de amor e morto de saudades. Correu a casa toda cantando para Kali e da Kali nada. Quando a foi procurar no quarto de banho encontrou a criança que prontamente lhe disse que não podia entrar. A criança não sabia quem era o Shiva e o Shiva não conhecia a criança de lado nenhum. O Shiva, já sabemos, é um tipo bom até que lhe cheguem a mostarda ao nariz e o miúdo, filho de quem era também não era pêra doce, e ficaram ali os dois em tensão - o pequeno dizia 'não interessa quem és, não podes passar' e o outro 'ai que não passo' e com os nervos em franja, saca da espada samurai Hattori Hanzo e corta a cabeça ao garoto. A Kali, quando sai do chuveiro, toalha na cabeça, as serpentes ainda a sacudirem-se ao seu lado, como seria de esperar, passou-se. 'Ai o meu menino, que foste tu fazer meu anormal, mataste-me o filho, mataste o teu filho, põe-te já daqui para fora!' e o Shiva 'ai meu amor, que eu não sabia quem ele era, e a frente que ele me fez, oh amor, o Kali, pombinha do meu coração, ai desculpa-me' e ela 'desaparece-me da frente demónio de homem, antes que eu use a minha espada no teu pescoço'. Kali, não se disse ainda, mas também tinha uma Hattori Hanzo e era a mais conhecida assassina de demónios do seu tempo.

Shiva ajoelhou-se e jurou voltar com a cabeça do primeiro bebé que encontrasse a dormir, para colar no corpo decepado do seu filho e com esta saiu de casa. Com a cabeça em água, correu o mundo à procura e quando avistou um elefante bebé a dormir, não hesitou - zás -, e correu para casa e com jeitinho e auxílio de super-cola 3 lá colou a cabeça orelhuda no corpo do pequeno, dando-lhe de novo vida. 



O Braham e o Vishnu, vendo o ar sanguinário da Kali perante o bebé-cabeça-de-elefante e temendo o pior, ofereceram à pobre criança, de nome Ganesh, o dom do intelecto, da sabedoria, do sucesso e da fortuna (basicamente, tudo o que se pode desejar na vida) transformando-o num dos mais adorados deuses do hinduísmo.

Reza a história que o Shiva e a Kali conseguiram resolver os seus problemas - a ilha indonésia de java sofreu bastante com esta situação (terramotos inundações dilúvios e vulcões em contínua erupção) e o povo dessa ilha também se fartou de adorar um deus tão intempestivo e converteu-se ao Islão. No entanto, eles continuaram felizes e destruidores e assassinos de demónios e criadores de terrenos férteis para que das cinzas se ergam novas histórias, até aos finais do tempo.

Esta história contaram-me, assim mesmo sem tirar nem pôr, duas javanesas, uma muçulmana e uma cristã, que defenderam o Shiva e a Kali com unhas e dentes, em Prambanam, no templo a Shiva, continuamente em reconstrução dado os acessos de fúria do mesmo.

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Metrosideros

Fui tomar um café a Vila Praia de Ancora e, no regresso a casa, parei para fotografar os metrosideros em flor da marginal.

Conheço-os vai para trinta anos, quando decidi usá-los para sebe em minha casa. Agora, admiro-os ainda mais, pois tenho-os visto, já bem crescidos, a adornar muitos dos lugares públicos, principalmente se situados à beira-mar, diariamente à mercê dos ventos e da água salgada, sem grandes sinais de sofrimento.

Hoje, um belo exemplar recebeu-me à porta do Camipão, a fazer lembrar os do Passeio Alegre, no Porto, classificados como de "Interesse Público".

Têm folha perene, crescem até 25 metros e são originários da Nova Zelândia: Aí, florescem em finais de Dezembro e assumem o papel de árvore de Natal.

São da família das nossas murtas, que têm menor porte (não mais de 5 metros), também elas resistentes, principalmente a temperaturas altas e a verões secos e que são senhoras de uma fragrância usada em perfumaria, medicina tradicional e até como condimento. Os gregos e os romanos usavam-na nas grinaldas, para adornar as noivas.

Por muito que me custe, pertencem à família das Myrtaceae, onde também estão os eucaliptos, … esses ranhosos....! Mas ninguém tem culpa da família que lhe coube em sorte! É a vida! ...

 

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Cincinnatus

Custa-me aceitar quem se eterniza, principalmente se ocupa um qualquer lugar de direcção do Estado. Todos temos incapacidades para algum tipo de problemas e, quando persistimos, são esses que vão ganhando volume sem resposta e nos fazem cair com estrondo.
É esse um dos motivos porque não simpatizo com o PCP, nem com o Mário Nogueira, nem com os "dinossauros" das nossas autarquias.

Todos os "Team Leaders" dos diferentes organismos do Estado, deveriam ter mandatos limitados. por não mais que 10 anos, mesmo que se mantivessem competentes.
As funções de direcção, se tomadas com responsabilidade, não só são desgastantes, como causam ressentimentos que se agravam com o andar dos anos, pelo que, mesmo quando já não há "Up", tem de haver "Out", que mais não seja para dar descanso aos que há muito o não suportam.

Transporto comigo a figura/mito do Cincinatus que ponho em contraponto a Salazar, ao Generalíssimo (o íssimo é real) Franco, ao Saddam Hussein, ao Erdogan e às famílias Bashar al-Assad e Kim Jong-un e a outros tantos que têm todas as soluções para aquele futuro que só eles conhecem.
São eles que enchem os Noticiários, com os seus 9 anos, 4 meses e 2 dias, repetidos à exaustão em negociações do inegociável, pois são habitualmente cabeçudos incultos que não entendem que um problema pode ter várias soluções razoáveis e que a História ensina que raramente se tem 100% da razão.
"Dez anos é muito tempo!", já o dizia o Paulo de Carvalho, quando ainda tinha cabelo, voz e alguma graça, e eu concordo. Um máximo de dois mandatos de quatro anos é o certo. Mais que isso só para excepções muito excepcionais.

Na historia de Roma Lucius Quintus Cincinatus (519 AC — 439 AC) , é modelo de virtude e simplicidade. Foi eleito ditador para salvar o exército numa guerra contra os Volscos. Quando o informaram da nomeação estava a lavrar a terra. Largou as alfaias e foi para o campo de batalha. Em 16 dias derrotou os inimigos. Entrou em triunfo em Roma e, "por amor à República", renunciou imediatamente à sua autoridade absoluta para voltar aos seus campos e ao arado. 

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Incêndio Florestal



- Esteja descansado que aqui nunca houve incêndios!, dizia-me a vizinha, tão certa como aqueles que vivem nos leito de cheia e confiam que o rio nunca lhes há-de chegar aos pés, quando eu, que sempre fui avesso à sabedoria popular, me punha a "empurrar" o mato para longe dos muros.
O povo da aldeia faz coro com ela e, como  os Serviços Florestais se dizem incapazes de identificar os proprietários da floresta confinante com as habitações, só me restou contar com a ajuda dos deuses.

De acordo com a 1ª Lei de Murphy “Se alguma coisa pode dar errado, dará, e no pior momento, e o incêndio florestal da passada sexta-feira, veio quando eu estava a milhas de casa e, não fora uma boa estrela pôr no ar dois aviões Canadair e no chão um carro de Bombeiros e um tractor com uma cisterna, o fogo não parava a três metros dos meus muros.

Parecer de um popular estabelecido nas imediações do início do incêndio.
O fogo teve origem numa fogueira activada por madeireiros, junto à aldeia vizinha. O dia estava seco e com muito vento. O fumo que saía da zona fazia prever o pior, pelo que chamou os Bombeiros, que chegaram uma meia hora depois e que, em vez de apagarem as chamas, ficaram à espera de uma ordem do seu chefe. Entretanto chegou à fogueira “alguém” com uma cisterna cheia de água, que foi impedido de a descarregar.
Quando, minutos depois, o fogo se estendeu à floresta, foram chamados os meios aéreos, “por o terreno, não ter acessos suficientes para o combate com os meios disponíveis.
Arderam cerca de 25 hectares de eucaliptal e pinheiro, com muitas austrálias pelo caminho.  

domingo, 21 de abril de 2019

Líquens


Os líquenes são os organismos visíveis mais resistentes do planeta mas são dos menos ambiciosos. Dão-se por felizes a crescer num cemitério soalheiro, mas dão-se melhor ainda em ambientes onde nenhum outro organismo se instalaria – nos cumes ventosos das montanhas e nas regiões árticas desertas, onde há apenas rocha, chuva e frio, e quase nenhuma concorrência. Em áreas da Antártida, onde praticamente não cresce mais nada, encontram-se vastas extensões de líquenes – 400 tipos diferentes - dedicadamente agarrados a tudo o que seja rocha acoitada pelo vento. Durante muito tempo não se compreendeu como crescem sobre as rochas nuas, sem qualquer sinal de nutrição ou produção de sementes.
São uma sociedade entre fungos e algas. Os fungos excretam ácidos que dissolvem a superfície da pedra, libertando minerais que as algas convertem em nutrientes em quantidade suficiente para alimentar ambos. Existem mais de 20 mil variedades de líquenes.
Como a maior parte das coisas que vivem em ambientes hostis, os líquenes crescem devagar. Pode demorar meio século para que um líquen atinja as dimensões de um botão de camisa. Os que são do tamanho de um prato, escreve David Attenborough, são, portanto, capazes de ter centenas, senão milhares de anos de idade.
Seria difícil imaginar uma vida menos interessante.
Limitam-se a existir.

In "Breve História de quase Tudo" de Bill Bryson

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Narcos




Ambas as séries dizem estar fundamentadas em factos reais.
Custa a crer!
Volta Sócrates, estás perdoado! Armando Vara, fora da prisão JÁ! Duarte Lima, venham cá esses ossos! ... e por ai afora ....

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Kaspuscinski - “O Imperador”




Caro amigo, uma mania domina este mundo louco e imprevisível – a mania do desenvolvimento. Todos querem desenvolver-se, mas não normalmente, como Deus manda, que o homem nasça, se desenvolva e morra, mas desenvolver-se de maneira espectacular, dinâmica e grandiosa, desenvolver-se para outros verem, invejarem, comentarem abanando a cabeça. De onde vem isso? Não se sabe. As pessoas correm, que nem ovelhas atrás da ganância porque basta que alguém noutro canto do mundo se desenvolva, de seguida todos querem imitá-lo, atacam, pressionam, exigem, para se desenvolverem também, subir, convergir. E basta, amigo, que ignores essas vozes, e já tens em seguida frustrações, revoltas, negações e clamores.

In “O Imperador” de Ryszard Kaspuscinski - A história do golpe militar que depôs Haile Selassie, o Grande Senhor, Eleito por Deus, Imperador da dinastia salomónica que ocupara o trono da Etiópia ao longo de mais de quarenta anos, contada pelos "do regime".

Lê-se de um fôlego e ensina ... tanto.

quinta-feira, 28 de março de 2019

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

O nosso "anti-racismo"




Os europeus tornaram-se multiculturais, tanto nos factos como por princípio. As comunidades imigrantes, muitas vezes pesadamente muçulmanas, crescem nos países europeus em resposta à carência de mão de obra de princípio do pós Segunda Guerra Mundial. Nos primeiros tempos, os activistas destas comunidades lutaram por direitos iguais para os imigrantes e seus filhos, mas viram -se frustrados por continuas barreiras à mobilidade ascendente e à integração social. Inspirados tanto pela Revolução Iraniana de 1979 como pelo apoio saudita às mesquitas e madrassas salafistas, começaram a aparecer na Europa grupos islamitas que defendiam que os muçulmanos não deviam procurar integrar-se , mas sim manter instituições culturais separadas. Muitas pessoas da esquerda europeia abraçaram esta tendência, considerando os islamitas como os autênticos porta-vozes dos muçulmanos, mais marginalizados do que integrados, que tinham optado por se integrarem no sistema social. Em França, os muçulmanos tornaram-se o novo proletariado, com parte da esquerda a abandonar o seu secularismo tradicional em nome do pluralismo cultural. As criticas de que os islamitas eram ele próprios intolerantes e iliberais era muitas vezes minimizadas sob a bandeira do antirracismo de contrariar a islamofobia.

In Identidades, Francis Fukuyama

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Carta aberta a Nicolás Maduro




Caro Maduro:
Para governar um país é necessário ter mundo e jogo de cintura para não se refugiar numa solução que até pode ter sido boa, mas que a mudança das circunstâncias provou “ad nauseam” que já não é. A pouca razão que possas ter tido, não te irá servir para nada. A geografia e as enormes reservas de petróleo contam mais que a ideologia. Quiseste continuar a política à Robin dos Bosques, sem entenderes que a América do Sul é pertença do “Ocidente”, que é como quem diz está dependente da política internacional dos Estados Unidos. Esqueceste-te que Cuba não tinha petróleo e optaste pelo caminho do Saddam, e o mais certo é teres o mesmo fim. A Venezuela é demasiado importante para que a deixem ser um protectorado da Rússia ou da China.
Paraste no tempo. A globalização criou problemas que exigem mentalidades abertas a soluções integradas com o sentir das outras nações. Deves ter pensado que estar sentado sobre o petróleo te dava o direito de fazer uma “Arábia Saudita” à Venezuelana, quando devias ir à missa e procurar o apoio internacional que foste perdendo.  
Se arrastares o país para a guerra civil, vais ficar na História como mais um Vilão. Ouve o que te digo: marca as eleições que te pedem, mas faz por perder! Depois, foges para a Rússia, voltas aos camiões (aquela terra tem extensões que nunca mais acabam) e acabas de criar os filhos. Daqui a uns anos, escreves um livro a contar as mágoas e vais ver que não te vão faltar compradores. Com sorte, até te fazem santo, quando morreres!
Vai por mim que, mesmo não sendo taxista, sou mais velho e já vi o porco a andar de bicicleta.

Passa bem!

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Gripe Masculina



Aos homens constipados

Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer.
Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.
Se tu sonhasses como me sinto,
Já vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos,
Anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo
Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha,
Fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.
Faz-me tisana e pão de ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sozinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer.

Poema de António Lobo Antunes, In 'Sátira aos Homens quando estão com Gripe'

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

O futuro do SNS



Estou fora, mas mantenho as cicatrizes do tempo em que lutei por um SNS com custos sustentáveis e revolta-me ouvir quem defende resolver o problema atirando-lhe dinheiro para cima.
Senti as dificuldades de todos os graus da carreira médica e assisti ao crescimento da “medicina defensiva”, ao abuso de Meios Complementares de Diagnóstico, à incapacidade em conter os profissionais “disfuncionais”, ao papel nocivo do amiguismo politico-religioso e à inaptidão dos sucessivos ministérios da Saúde em dar credibilidade aos Centros de Saúde.
Como se estas ineficiências não lhe chegassem, quando os Hospitais Privados entraram e o Serviço Nacional de Saúde passou a “Sistema”, o descontrole agravou-se, pois os que dizem que o Estado é mau pagador, ocultam que ele paga muito bem as ineficiências e os oportunismos, e que raramente protesta.
Para cúmulo, a comunicação social, ao anotar essencialmente as falências do SNS, induz na população um sentimento de insegurança, que a leva a quase exigir TACs, análises e muitas opiniões, esquecendo que o funcionamento das instituições é monitorizado diariamente pelos pares, sejam eles Auxiliares, Enfermeiros ou Médicos.
As últimas intervenções dos políticos vão na direcção de entregar aos grandes grupos económicos ligados à Saúde, “as técnicas que dão dinheiro” e deixar para o SNS o que “não é rentável”, o que irá agravar o fosso salarial entre os profissionais dos dois lados, com a consequente “desnatação” dos quadros do Estado.

O futuro do SNS não depende de “mais dinheiro”. Depende da capacidade técnica e organizativa de que for capaz, e isso não é compatível com o “deixa andar”, com compadrios, com “faz-de-conta” para que os “números” dêem certo, quando se recusa a quem está “por dentro” e é responsável, capacidade de corrigir o que está mal.
É aqui que se ganha o SNS. Claro que o dinheiro tem de ser adequado às funções, mas sem uma responsabilização clara do modo como ele é gasto, só se irá agravar o problema e dar razão aos privados que se dizem capazes de melhor gestão. O SNS exige, acima de tudo, gente competente. 
Infelizmente, também aqui há “Estradas de Borba” (fruto de compadrios e da excessiva indulgência para com os “amigos”), a aguardar que uma chuvada mais forte as faça ruir e, mesmo que haja auto-estradas e muitas outras vias com bom funcionamento, vão ser elas que lhe irão dar a imagem, para desviar o dinheiro dos Impostos para o Sector Privado, e o transformar num Serviço  para os “pobres”.


sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Inclusão




Não desprezo os homens. Se o fizesse, não teria direito algum, nem razão alguma, para tentar governá-los. Sei que são vãos, ignorantes, ávidos, inquietos, capazes de quase tudo para triunfar, para se fazer valer, mesmo aos seus próprios olhos, ou simplesmente para evitar o sofrimento. Sei muito bem. Sou como eles, pelo menos momentaneamente, ou poderia tê-lo sido. Entre outrem e eu, as diferenças que distingo são demasiado insignificantes para que a minha atitude se afaste tanto da fria superioridade do filósofo como da arrogância de César. Os mais opacos dos homens também têm os seus clarões: este assassino toca correctamente flauta; este contramestre que dilacera o dorso dos escravos com chicotadas é talvez um bom filho; este idiota partilharia comigo o seu último bocado de pão. Há poucos a quem não possa ensinar-se convenientemente alguma coisa. O nosso grande erro é querer encontrar em cada um, as virtudes que ele não tem e desinteressarmo-nos de cultivar as que ele possui.

In “Memórias de Adriano” de Marguerite Yourcenar