terça-feira, 25 de junho de 2013

Um pouco de História

Um pouco de História ajuda-nos sempre a entender o presente, principalmente porque cem anos não é nada na evolução de uma espécie.

Uso o livro “Civilization” de Niall Ferguson, publicado em 2011 e editado em Portugal pela Editora Civilização, em Fevereiro de 2012.

Niall Fergurson é professor de História na Universidade de Harvard

A guerra que começou em 1914 não foi uma guerra entre meia dúzia de Estados europeus quezilentos. Foi uma guerra entre impérios mundiais.
 ... 
Em 1917, a França estava à beira de perder a Primeira Guerra Mundial. Onde deveria pedir ajuda? A resposta foi: África.
Apesar dos súbditos africanos da França não terem direito à plena cidadania francesa, eram considerados elegíveis para pegar em armas em defesa da pátria.  Contudo, em todas as colónias - Senegal, Congo, Sudão, Daomé, Costa do Marfim - os africanos declinaram responder ao apelo. A maioria acreditava que o recrutamento para o exército equivalia a uma sentença de "morte certa". O único homem que parecia capaz de dar a volta à situação era Blaise Diagne, o primeiro africano eleito para a Assembleia Nacional Francesa. Estaria ele disposto a regressar ao Senegal como uma espécie de sargento recrutador glorificado?
Diagne viu a possibilidade de fechar um negócio com o primeiro-ministro francês, George Clémenceau, e insistiu que todo o africano que se apresentasse para combater, recebesse a cidadania francesa e que os tirailleurs veteranos ficassem isentos de impostos e tivessem direito a uma pensão decente. 
...
Em Abril de 1917, Demba Mboup e os seus camaradas do Corpo Colonial Francês, integrado no Sexto Exército do general Charles Mangin e no Décimo Exército do general Denis Duchêne, tinham pela frente as posições poderosamente fortificadas do Sétimo Exército alemão, comandado pelo general Hans von Boehn, no Caminho das Damas – assim chamado por ter sido utilizado pelas duas filhas de Luís XV, no século XVIII.
O comandante francês, o general Robert Nivelle, acreditava ser o homem que iria conseguir o tão ansiado rompimento na Frente Ocidental. Os Franceses construíram 450km de via férrea para apoiar a ofensiva com 872 comboios carregados de munições. Ao longo de uma frente de 40km, foi concentrado para o assalto mais de um milhão de homens. Dias e dias de barragens de artilharia deveriam amaciar os Alemães. No dia 16 de Abril, às 6h00, as tropas coloniais começaram a subir as colinas que a chuva e o granizo tinham transformado em lamaçais escorregadios. Mangin colocara os Senegaleses na primeira vaga, quase de certeza com o intuito de poupar vidas francesas. Segundo o tenente-coronel Bedieuvre, comandante do 58º Regimento de Infantaria Colonial, os africanos eram “inquestionavelmente e acima de tudo tropas de assalto soberbas que permitem poupar as vidas dos brancos, os quais, avançando atrás deles, exploram o seu sucesso e organizam as posições que eles conquistam”.
Nas trincheiras alemãs, o capitão Reinhold Eichacker observou horrorizado:

Os escuros pretos do Senegal, o gado para o matadouro da França. Centenas de olhos de combatentes, fixos, ameaçadores, mortíferos. Avançaram. Primeiro sozinhos, muito espaçados. Às apalpadelas, como os tentáculos de uma lula horrível. Ávidos, sôfregos, vacilando e por vezes desaparecendo na sua nuvem. Tipos fortes, selvagens, de dentes arreganhados como panteras. Os olhos, monstruosamente arregalados, acesos e injectados de sangue, eram horríveis.
Avançaram como uma parede móvel, negra e sólida, erguendo-se e caindo, oscilante e palpitante, impenetrável, infindável.
“reduzir a alça! Fogo à vontade! Apontem bem!” – as minhas ordens foram concisas e claras.
Os primeiros negros caíram a meio da corrida, em cima do nosso arame farpado, dando saltos mortais como palhaços num circo. Grupos inteiros evaporaram-se. Corpos desmembrados, terra pegajosa e pedras despedaçadas misturaram-se numa desordem selvagem. A nuvem negra parou, vacilou, cerrou fileiras e continuou a aproximar-se, irresistível, esmagadora, devastadora!
De súbito, uma parede de chumbo abateu-se sobre os atacantes e o arame farpado mesmo à frente das nossas trincheiras. Um martelar e chocalhar, um estalar e bater, um crepitar ensurdecedor atirou com tudo por terra com um clamor de furar os tímpanos e destroçar os nervos. As nossas metralhadoras estavam a apanhar os negros de flanco! Passaram como uma mão invisível sobre os homens, atirando-os por terra, estropiando-os e fazendo-os aos bocados! Os negros caíam sozinhos, em linha, em fila, ao monte. Ao lado uns dos outros, em cima uns dos outros.
Blaise Diagne protestou contra o desperdício negligente dos seus compatriotas mas regressou ao Senegal em busca de novos recrutamentos, desta vez armado com a garantia de que o combate, além da cidadania francesa, lhes valeria a Cruz de Guerra. No dia 18 de Fevereiro de 1918, Clemenceau defendeu o retomar do recrutamento militar perante um grupo de senadores, deixando perfeitamente claro o modo como os Franceses viam os Senegaleses:
“Tenho um respeito infinito por estes valentes negros, mas prefiro ver dez negros mortos a ver um francês, porque julgo que já morreram suficientes franceses e que há que sacrificá-los o menos possível”.

..............
 
Isto passou-se em França, país defensor dos direitos humanos - da liberdade, da igualdade e da fraternidade.
Ao lado, na Alemanha Imperial o alemão médio via os africanos como primatas superiores - o termo predileto para eles era "babuínos" - e tratava-os como animais. Os povos de "raça mista" - os bastardos - eram considerados racialmente superiores aos negros puros, mas inferiores aos brancos puros. Admitia-lhes uma eventual utilidade como polícias coloniais ou funcionários menores. No entanto, desaconselhava qualquer mistura racial adicional.

Será que estes conceitos perderam actualidade e que já não é fácil recrutar carne para canhão.

4 comentários:

gouvim disse...

Como sabe a França é o país da Liberté, Fraternit´Egalité e... Guilhotiné, se não cumpri o anterior Une Foi, une Loi et un Roi, ça va e de pretos em França estamos vistos são como coelhos, tanto é que a Marine Le Pen se ganhar as próximas eleições passa a ter uma bandeira quadricolor, ou será bicolor, pois o branco é a mistura das cores e o preto ausência dela, basta ver a lídima seleção francesa para saber que o coração francês está na Cafraria centro africana.

capitão disse...

Caro Gouvim :
Não creio que o racismo nos leve a algum lado. Mas também não creio que às cedências culturais sejam solução.
Quem imigra deve aceitar a cultura do país que o recebe, e não estar sempre a impôr a sua aos Autoctones.

gouvim disse...

Concordo A cor da pele não é fundamento de racismo, até por que posso pintar um preto de branco (tinha um primo que quando ia dormir com as baudas da Guiné branqueava-as com pó de talco). Ou as forças militares se engraxam de preto para se parecerem com demónios. O que faz o racismo é a recusa ou recusar perceber os outros, partindo de premissas rígidas.

gouvim disse...

Quiz dizer bajudas