sábado, 24 de outubro de 2009

Catarino


Farias 80 anos, caso não decidisses partir, calmamente e sem um adeus.
Foste um homem diferente. Aceitavas a vida com nobreza, enfrentando as adversidades com o humor de quem espera solidariedade igual àquela que disponibiliza. Foste leal e disponível como se fosses da família e, apesar do teu passado de dissabores, nunca te vi um azedume.

Um estúpido acidente de viação tirou-te o único filho e deixou-te um neto com sequelas para educar, e conseguiste resultados que pareciam impossíveis, com essa mesma naturalidade com que fazias um muro ou deitavas um carvalho abaixo.

Agora as tuas botas estão para ali sem serventia e as alfaias esperam as tuas mãos para dar ordem ao jardim, que fica com o travo da tua ausência, pois aquelas horas em que tudo se fazia brincando, não eram de trabalho, eram um tempo de lazer em que, sem custo, nos ensinávamos.

Estás ligado a um ventilador, mas já te foi recusada a cirurgia que te poderia valer, pois a falência multiorgânica em que estás, torna o acto cirúrgico um assassínio. Tentámos tudo, mas chegámos tarde a um mal que rapidamente te destruiu e que os teus anos não foram capazes de suster.

Não vais para o céu, nem para o inferno. Vais andar na memória de quem te conheceu como um exemplo e nas coisas em que tocaste na marca que lhes deixaste.

Nota Biográfica: José Catarino (1930-2009), nasceu em Mora (Évora). Filho de carpinteiro, foi carpinteiro de carros de mulas, até os automóveis lhe escassearem o trabalho, e ir para Montemor-o-Novo encher chouriços numa fábrica. Aí casa, e começa a sua vida de funcionário público ao ingressar como operário indiferenciado no Serviço de Fomento Mineiro. Começa por abrir poços, mas a grande facilidade em resolver problemas e o reconhecimento das suas capacidades humanas e de liderança, fazem com que seja chamado a assumir progressivas responsabilidades, algumas, até então, a cargo de Agentes Técnicos de Engenharia.
Viverá 8 anos em Évora, até uma ordem de serviço o obrigar a ir para Caminha, para ocupar tacitamente o lugar de Chefe de Secção, até à reforma aos 65 anos.
O casamento e morte do seu filho, bem com a educação do neto irão prendê-lo definitivamente a esta terra.

2 comentários:

hugo disse...

Obrigado sr. dr. pela homenagem prestada ao meu AVÔ, ficamos bastante sensibilizados, e mais uma vez, agradecer-lhe por tudo quanto tem feito por nós.
Um abraço e cumprimentos para todos vós.

Hugo e avó

hugo catarino disse...

Sr. Dr. como não sei qual é o seu email, vou-lhe deixar aqui os links dos meus dois blogs:

http://beiracoura.blogspot.com/

http://beiraminho.blogspot.com/